Itinerários CNC

Cantábria: de Altamira a Picasso

24 a 29 de julho de 2021
Guia: Anísio Franco

Entre 24 e 29 de julho de 2021, o Centro Nacional de Cultura realizou uma viagem à Cantábria, para conhecer a História, a Cultura, a Arte e a Natureza, com destaque para a Arte Rupestre e o Centro Botín, realçando a exposição Picasso Ibero dedicada à influência da arte ibérica na sua obra, apresentando inúmeras obras de toda a carreira de Picasso, exibidas ao lado de objetos ibéricos que o inspiraram, que vão desde esculturas de bronze e pedra a cerâmicas pintadas. 

A Cantábria, embora seja uma das mais pequenas regiões de Espanha, situada no Norte do país entre as Astúrias e o País Basco, é uma das mais ricas em Património Natural e Cultural. Com um clima de Verão ameno, a sua beleza natural com picos montanhosos, costas acidentadas, praias e rios caudalosos, a sua extraordinária riqueza patrimonial que inclui grutas pré-históricas como as de Altamira (UNESCO), igrejas e mosteiros medievais, edifícios modernistas e obras de arte histórica e contemporânea. Belos monumentos como o Palácio de la Magdalena, em Santander, o Mosteiro de Santo Toríbio, em Potes, ou O Capricho de Gaudí, em Comillas – excelentes pretextos para nos aventurarmos a propor aos nossos sócios este projeto. 

Uma viagem feita essencialmente de autocarro pela Cantábria, explorando as suas várias dimensões num itinerário dedicado à diversidade cultural e artística, mas também gastronómica, em locais como Santander, Santillana del Mar, Comillas, Potes, Loredo ou Castro Urdiales.

» Programa

Registos fotográficos

25 julho de 2021 (domingo) | Santander
Santander recebeu-nos com muita elegância. Na península e palácio de Magdalena, no Museu de pré-história com peças únicas no mundo, no excelente e longo almoço de tapas junto ao mar, terminando no Centro Botín, magnífico edifício de Renzo Piano onde visitámos a espantosa e inesquecível exposição Picasso Ibero.

26 de julho de 2021 (2ª F) | Santander, Agüero, Castro Urdiales, Laredo, Santoña e Santander
Começámos o dia numa passagem pela aldeia medieval de Agüero onde se destacam a torre e o solar nas imagens. Seguimos viagem até Laredo onde fomos surpreendidos pelo retábulo da Senhora de Belém que se encontra na Igreja de Santa Maria da Assunção, matriz de Laredo. Ainda em Laredo pudemos descobrir a bela paisagem tão característica do cantábrico.
Em Castro Urdiales, após um almoço onde nos deleitámos com vários elementos essenciais da gastronomia da Cantábria junto ao seu porto de pesca, visitámos a Igreja de Santa Maria com as suas várias fases de construção (tal como em Laredo com as 4 naves da igreja matriz) onde sobressaem várias imagens de grande qualidade e uma admirável obra de Francisco De Zurbarán (Cristo de la Agonía). Visitámos ainda o Castelo de Santa Ana de onde se avista o Golfo da Biscaia.

27 de julho de 2021 (3ª F) | Santander, Comillas, Potes, Santillana del Mar, Santander
Hoje viajámos na direção oposta a Castro Urdiales, para Oeste, começando por visitar a vila Balneária de Comillas conhecida pelo Palácio do Marquês de Comillas, pela Universidade Pontifícia, pelas praias e pela casa que António Gaudí fez por encomenda de Máximo Díaz de Quijano (1841-1885), um jovem burguês de Santander. Visitámos “El capricho”, uma das poucas obras de Gaudí fora da Catalunha, com a sua exuberância no exterior, mas também a genialidade nos espaços interiores especialmente concebidos tendo em conta a faceta de pianista do proprietário.
Seguimos então para o Parque Nacional Picos de Europa, onde atravessámos um impressionante desfiladeiro com mais de 20 km, para ir almoçar um ótimo cozido lebaniego em Cosgaya, junto a Potes.
Terminámos o dia com as visitas ao Mosteiro de Santo Toribio de Liébana, com a sua igreja românica e a capela barroca conhecida como Lignum Crucis, e, em Potes, com a visita à Torre do Infantado e Igreja Velha de São Vicente.

28 de julho de 2021 (4ª F) | Santander, Santillana del Mar, Santander
No último dia da nossa viagem, começámos por visitar o Museu Nacional e Centro de Investigação de Altamira onde se pode ver uma réplica em três dimensões da gruta de Altamira. Picasso refere-se a estas Pinturas afirmando: “depois de Altamira, só há decadência”. A Capela Sistina da pré-história chamaram-lhe outros. Experiência inolvidável para o grupo do CNC.
De seguida fomos conhecer a Colegiata de Santa Juliana, expoente máximo do românico na Cantábria com o seu claustro de capitéis historiados, o retábulo quinhentista na sua estrutura original e o extraordinário Cristo Pantocrator que se conserva no batistério da igreja. Mas porque é fundamental ver a Arte rupestre ao vivo, fomos a uma das grutas visitáveis na Cantábria: El Castillo que nos deixou maravilhados por podermos contextualizar e imaginar o tempo em que foram produzidas estas obras de arte.

29 de julho de 2021 (5ª F) | Santander > Lisboa
Dia de regresso…

Organização: 

Apoio:

Subscreva a nossa newsletter