Notícias

Depois de 20 anos de silêncio, os Carrilhões restaurados do Palácio Nacional de Mafra tocaram para milhares de pessoas

Concluído um complexo processo de restauro, os Carrilhões do Palácio Nacional de Mafra voltaram a tocar durante um memorável concerto inaugural que reuniu mais de 6.000 pessoas na praça em frente ao Palácio, na tarde de 2 de fevereiro.

Na mensagem de felicitações do Maestro Placido Domingo, Presidente da Europa Nostra, lida durante o evento pelo Dr. Guilherme d’Oliveira Martins em representação do Centro Nacional de Cultura, foi elogiado o restauro magistral do maior conjunto de sinos do século XVIII; o Maestro Plácido Domingo expressou também o seu desejo de voltar a Mafra para celebrar esta impressionante reabilitação de património, bem como a recente inscrição do Palácio na Lista do Património Mundial da UNESCO.

Os Carrilhões foram selecionados para o programa 7 monumentos e sítios mais ameaçados na Europa” em 2014 pela Europa Nostra e pelo Instituto Europeu de Investimentos, após a indicação do Centro Nacional de Cultura.

Após uma missão da Europa Nostra e do Instituto do Banco Europeu de Investimento em outubro de 2014, os especialistas europeus apresentaram um relatório técnico e financeiro em março de 2015, que destacou a necessidade e justificação do projeto de reabilitação e apoiou a abordagem adotada. O destaque da iniciativa pelo Programa “7 Mais Ameaçados” ajudou a priorizar o projeto entre as autoridades públicas.

O programa de conservação teve um custo total de 1,7 milhões de euros e foi quase inteiramente financiado pelo Ministério da Cultura de Portugal.

“Como Presidente da Europa Nostra, aplaudo o trabalho que foi feito para restaurar os carrilhões e salvar este património mundial da UNESCO para as gerações futuras. Como músico, sinto que somos verdadeiramente abençoados por podermos, uma vez mais, desfrutar da grande herança musical de Europa através dos sons nítidos, claros e suaves dos sinos de bronze. (…) “

“(…) Estou tão feliz que estes magníficos carrilhões agora se possam juntar aos seis órgãos de tubos para fazer de Mafra uma meca dos amantes da música, especialmente com a abertura do Museu Nacional de Música no Palácio. E fico também muito satisfeito por saber que estão programados concertos ao longo do ano, permitindo assim que o maior número possível de pessoas desfrute desta experiência musical única.”

Plácido Domingo recordou a sua participação num concerto memorável com os seis órgãos de tubos na Basílica, em 2012, durante o Congresso Europa Nostra em Lisboa, organizado em colaboração com o Centro Nacional de Cultura. “Há 8 anos – quando realizámos o Congresso da Europa Nostra em Lisboa – tivemos a oportunidade única de apreciar o som magnífico criado pelos seis órgãos na Basílica do Palácio Nacional de Mafra. O concerto foi uma tempestade musical incomparável e a música majestosa fluiu sobre mim e os outros ouvintes como uma grande onda melódica. Em 2012, o restauro dos órgãos tinha acabado de receber o Prémio Europeu do Património | Prémio Europa Nostra e fiquei muito emocionado por poder ouvir o resultado final. Foi um momento verdadeiramente mágico para mim e para todos os outros entusiastas da música e do património.”

As duas torres da Basílica do Palácio Nacional de Mafra apresentam um conjunto único de 119 sinos de bronze fundido, divididos em carrilhão, litúrgico e sinos de horas. Devido à falta de manutenção no caso da torre norte, ou parca conservação, no caso da torre sul, as estruturas de madeira que sustentam os sinos corriam risco de desabar, ameaçando a integridade das torres e do próprio monumento. Os sinos também estavam em péssimas condições.

O trabalho de conservação foi realizado entre maio de 2018 e dezembro de 2019. A maioria dos sinos de carrilhão foi colocada no chão e armazenada ou movida para a oficina, mas alguns foram tratados in situ. O carrilhão da torre sul está totalmente operacional. O carrilhão da torre norte – que nunca foi alterado e, portanto, fornece um exemplo raro do som da campainha em sua condição original de afinação – foi restaurado, mas mantido como uma peça de museu. Os grandes sinos litúrgicos e os sinos de 12 toneladas também foram fixados e estabilizados.

Fotos © Europa Nostra – Arlindo Homem / DGPC [Attribution-NonCommercial-ShareAlike]

Subscreva a nossa newsletter