Home Sobre nós Serviços Novos sócios Bolsas Mecenas Contactos English Français
"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"
Helena Vaz da Silva LER BIOGRAFIA

Laura Soveral (1933-2018)

Laura Soveral deixou-nos. Fica-nos na memória a sua presença como símbolo de um tempo inesquecível. Como João Botelho um dia disse, Laura era alguém que naturalmente irradiava luz – transcendendo-se na arte de representar.
Laura Soveral em "Uma Abelha na Chuva" © Direitos reservados

Lembramo-nos do testemunho de Fernando Lopes sobre a sua escolha para protagonizar “Uma Abelha na Chuva” de Carlos de Oliveira. Olhando-a, percebeu que a literatura a antecipara. Maria dos Prazeres era ela!

Ao revermos o filme temos o retrato de uma sociedade que está já distante, ainda que a tenhamos tão próxima.

Ao lado de João de Ávila recordamo-la na continuidade do Grupo Fernando Pessoa, que nasceu como ideia e projeto com Fernando Amado, aqui no Centro Nacional de Cultura e na Casa da Comédia… Foi uma mulher do Teatro, que se multiplicou em personagens e sobretudo na busca incessante da palavra e das palavras. Num gesto último de grande generosidade legou o seu corpo à investigação científica – ciente de que assim o espírito continuará connosco, como afirmação perene da cultura e da vida… A sua voz, a sua imagem, a sua beleza, a sua pessoa…

O Centro Nacional de Cultura honra a sua memória e apresenta as condolências à família.



A atriz Laura Soveral tinha 85 anos. Trabalhou em teatro, cinema e televisão. Entre os muitos trabalhos que fez, participou em Uma Abelha na Chuva (1972), de Fernando Lopes, e em Tabu, de Miguel Gomes (2015).

Entre os prémios que recebeu destacam-se o Prémio Bordalo, em 1968, e o Prémio Sophia de Carreira, em 2014.

Laura Soveral nasceu em Benguela, Angola, em 1933. Foi em Lisboa que começou a sua carreira como atriz, no Grupo Fernando Pessoa, dirigido por João d'Ávila. Estudou Filologia Germânica na Faculdade de Letras e depois mudou-se para o Conservatório Nacional.

Em 1968 recebeu o prémio de Melhor Atriz de Cinema, do SNI, pela sua participação em Estrada da Vida, de Henrique Campos. No teatro, nesses primeiros tempos, destacou-se em O Processo de Kafka (1970), com o Grupo de Ação Teatral e encenação de Artur Ramos, ao lado de Sinde Filipe, Victor de Sousa, Santos Manuel, Glicínia Quartim e muitos outros. E depois também em Depois da Queda, de Arthur Miller, também encenada por Artur Ramos, com atores como Rogério Paulo, Lourdes Noberto e outros.

Em 1972, participou no filme Uma Abelha na Chuva, de Fernando Lopes, que adaptava o romance de Carlos de Oliveira e foi uma das obras marcantes do Cinema Novo.



Depois do 25 de Abril viveu no Brasil onde chegou a participar em telenovelas da Globo, como por exemplo O Casarão. No regresso aos palcos portugueses, pudemos vê-la em A Segunda Vida de Francisco de Assis, no Teatro Aberto (1987), numa encenação de Norberto Barroca. Com a Cornucópia fez Primavera Negra, em 1993, encenada por Luís Miguel Cintra. Nos anos 1990, fez vários espetáculos com A Barraca.

No cinema, entrou em filmes como FranciscaVale Abraão e A Divina Comédia, de Manoel de Oliveira, O Fatalista e Tráfico, de João Botelho, e O Delfim, de Fernando Lopes, entre muitos outros.

Recorde Laura Soveral no filme Tabu, em 2015:



Nos últimos anos, trabalhou sobretudo em televisão. O seu último trabalho foi a telenovela da TVI Belmonte. Participou em séries como Morangos com AçúcarChiquititas, Liberdade 21Tempo de ViverRicardina e Marta Passerelle, entre muitas outras, nos vários canais.

A Academia Portuguesa de Cinema distinguiu-a em 2013, com o Prémio Carreira e, em 2017, com o Prémio Bárbara Virgínia, de homenagem a mulheres do cinema português. Na altura, a academia disse que Laura Soveral representava "um extraordinário exemplo de determinação e profissionalismo para gerações futuras".

Laura Soveral sofria de ELA - esclerose lateral amiotrófica e encontrava-se internada no Hospital de Santa Maria, em Lisboa. Doou o seu corpo à ciência, pelo que não haverá cerimónias fúnebres.

por Maria João Caetano in Diário de Notícias | 12 de julho de 2018
Notícia no âmbito da parceria Centro Nacional de Cultura | Jornal Diário de Notícias

 

Edição: 13 de julho de 2018