Home Sobre nós Serviços Novos sócios Bolsas Mecenas Contactos English Français
"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"
Helena Vaz da Silva LER BIOGRAFIA

FOLHETIM :: COCHINCHINA - VIETNAME E CAMBOJA

A herança portuguesa no Vietname e no Camboja leva-nos aos locais de memória dos portugueses por terras da Cochinchina.
Grupo do CNC no Mausoléu de Ho Chi Minh
Hanói - rua no bairro antigo
Cidade Imperial de Thang Long, em Hanói
Entrada na Cidade Imperial de Thang Long, em Hanói
Peça no Núcleo Museológico da Cidade Imperial de Thang Long, em Hanói
Escavações no Sítio Arqueológico da Cidade Imperial de Thang Long, em Hanói
Poço no Sítio Arqueológico da Cidade Imperial de Thang Long, em Hanói
Templo Ho Ghom, em Hanói
Formações rochosas de Trang An
Gruta na reserva de Trang An
Grupo do CNC navegando no Red River
Templo An Trang An
Render da Guarda junto ao Mausoléu de Ho Chi Minh, em Hanói
Casa de Ho Chi Minh, em Hanói
Palácio Presidencial, em Hanói
Museu de Etnografia do Vietnam, em Hanói
Templo da Literatura, em Hanói
Templo da Literatura, em Hanói
'Pautas' dos alunos no Templo da Literatura, em Hanói
No âmbito do Ciclo de Viagens
"Os Portugueses ao encontro da sua História"
26 de agosto a 9 de setembro 2017 
Guia: Alexandra Pelúcia

 

  • 6 a 8 de setembro - Hanói

Hanói, a atual capital do Vietname, foi a última etapa desta nossa expedição. A primeira impressão que colhemos foi a de uma cidade agradável de bonita arquitetura colonial, particularmente no ‘bairro francês’, e de jardins cuidados e floridos. Ao final da tarde, embrenhámo-nos no bulício do bairro antigo (‘old quarter’) circulando em pequenos veículos elétricos, sentindo a cidade vibrante, carros e motorizadas cruzando em todas as direções (um ‘caos organizado’, poderíamos dizer...). Observámos, curiosos, os espaços exíguos das lojas que todavia se projetam sobre os passeios onde se exibem desde manequins a equipamentos elétricos, desde colchões a frutos e legumes; e os lojistas no interior ou em frente das lojas sentados no chão ou recostados em cadeiras, de olhos nos telemóveis ou mesmo i-pads... 

Mas Hanói tem também uma longa história como sede do poder desde o século XI (1010), época em que foi batizada como Thang Long, i.e. ‘a cidade do dragão voador’. Visitámos a cidadela imperial de Thang Long que foi o centro do poder político do Dai Viet (antiga designação do Vietname) durante mais de mil anos. A cidadela constitui um espaço amplo envolvendo vários panos de muralha que circundam palácios, templos, pagodes e edifícios civis e militares construídos e reconstruídos ao longo de sucessivas dinastias entre os séculos XI e XVIII e mesmo antes, durante o domínio chinês entre os séculos VII e IX. No século XX, a cidadela foi utilizada pelas forças francesas e serviu de quartel general do governo do Vietname do Norte e do comando do célebre General Giap durante a guerra do Vietname (1967-1975).

Ali decorrem atualmente trabalhos de investigação arqueológica coordenados pela Academia das Ciências Sociais do Vietname que têm posto em evidência ‘layers’ de fundações de edifícios, muros, poços e sistemas de canalização que se sucederam ao longo dos tempos; e objetos em cerâmica, grés e metal que ajudam a conhecer como ali se viveu.

No Templo Ho Ghom lembrámos a resistência do povo vietnamita aos mongóis nos séculos XIII-XIV, celebrada com a simbologia da tartaruga, alegoria mítica da independência e da longevidade do Vietname.

No dia seguinte, a caminho de Trang An (paisagem classificada como património mundial pela Unesco em 2014), regressámos a um verdadeiro ‘banho de natureza’: navegando no Red River, admirámos de um lado e doutro do rio o panorama deslumbrante das rochas verticais e picos gigantescos de pedra calcária e aventurámo-nos em grutas donde nos caíam do alto verdadeiras ‘folhas’ de pedra que nos obrigavam a curvar para nos protegermos - um assombro!
De volta a Hanói, assistimos ao render da guarda junto ao Mausoléu de Ho Chi Minh, de visita obrigatória. No Palácio Presidencial, recordámos este grande herói do Vietname observando de fora a modesta habitação onde viveu e trabalhou, junto ao lago.

Tivemos ainda tempo de percorrer o interessante Museu de Etnografia do Vietname, que nos confrontou com a diversidade étnica e cultural deste país: o povo Viet, que representa 86% da população, e as 54 minorias, em parte originárias da China e habitando aldeias nas montanhas. Ali pudemos também compreender um pouco dos segredos do fabrico dos chapéus cónicos dos Nung, admirar as bonecas rituais dos Viet, os costumes em ‘patchwork’ dos Lolo, as saias dos Hmong ou as cítaras dos Jorai.

Concluímos a nossa jornada da melhor maneira: no Templo da Literatura, primeira ‘universidade’ do Vietname, instituída em homenagem a Confúcio e que funcionou entre 1076 e 1779. Ficámos particularmente impressionados com as ‘pautas’ listando os nomes dos estudantes aprovados nos exames (em que também o rei intervinha como examinador...), esculpidas em placas de pedra apoiadas sobre tartarugas: segundo a tradição, acariciar as cabeças das tartarugas garantiria a sabedoria!

E assim chegou ao termo esta memorável viagem do CNC ao encontro da história dos portugueses na Cochinchina: uma história de contactos comerciais e culturais e de aventuras de marinheiros, mercadores, diplomatas, padres e missionários, sem pretensões de conquista ou de domínio (para além talvez do domínio dos mares ou ‘talassocracia’, de que nos falou a Profª. Alexandra Pelúcia); mas que deixou marcas e influências que fará todo o sentido continuar a estudar e a divulgar. 

17 de setembro de 2017 ® Maria Eduarda Gonçalves


 

Artigos relacionados:

Da Nang e Hué: entre passado e presente


Hoi An e Cham Island:
do património cultural ao natural

De Phnom Penh a Angkor

Subindo o Mekong (II)

Subindo o Mekong (I)

Ho Chi Minh
 
Os Sentidos de uma Viagem à Cochinchina
 

ORGANIZAÇÃO:                                                           PARCERIA:

                               
APOIO: