Home Sobre nós Serviços Novos sócios Bolsas Mecenas Contactos English Français
"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"
Helena Vaz da Silva LER BIOGRAFIA

De 22 a 28 de Março de 2004

Charles Péguy dizia que tudo começa em mística e acaba em política. Desde sempre que a actividade política vive condicionada por esta verificação.
Charles Péguy dizia que tudo começa em mística e acaba em política. Desde sempre que a actividade política vive condicionada por esta verificação. No começo estão os ideais, os princípios, a generosidade das causas, mas o confronto com a realidade suscita a necessidade de encontrar compromissos, de lidar com a complexidade dos fenómenos sociais. Os cidadãos estão colocados sempre perante o dilema que contrapõe a formulação abstracta dos valores ético-políticos e a aplicação prática e impura dos mesmos. Daí as desilusões, a predominância do curto prazo e do imediato e o esquecimento da mística e dos ideais. E, nos dias de hoje, a força dos meios de comunicação de massa, só reforça esta transigência com o imediato e com a ilusão. Jorge de Sena, num ensaio luminoso sobre Maquiavel, recorda-nos, a propósito da contradição entre pensamento e acção, que “nenhum pensamento e nenhuma acção existem, ou são possíveis, sem a resistência das estruturas sociais ou materiais, cuja oposição os gera”. A vida política resulta dessa contradição que gera uma “outra realidade”, para além da primeira relação entre os valores e o pensamento. Afinal, para Sena, Maquiavel encontra a monstruosidade do Príncipe ao reduzir, paradoxalmente, o homem à sua “virtù”, procurando a sua dignidade responsável - e retirando-lhe a desculpa de “atribuir-se o direito de ser monstruoso à escala divina”. É na dignidade responsável, humaníssima, que tudo se põe. Não estamos na escala divina. Estamos na esfera limitada e imperfeita da acção humana - de uma acção que erra, que hesita, que avança por tentativas e pelo efeito da dúvida. O mal não é um critério, mas um resultado. E daí a necessidade de procurar superá-lo e de encontrar uma via de acção capaz de conciliar pensamento e prática, mística e política. O mal de Maquiavel não é, pois, a justificação, mas a ausência dela. E assim a acção política deixa de conter a fatalidade do mal, para passar a envolver uma tensão permanente entre a procura da justiça e a possibilidade da sua negação. Na política, insiste o poeta: “todo o pensamento e toda a acção levam em si aquilo que os contradiz e destrói, aquilo que os fará inferiores à realidade que os ultrapassa”. O pensamento e a acção “criam-se mutuamente”. É o âmago da ética que está nas preocupações do autor de “O Príncipe”. Estamos perante a tragédia humana retratada pelo maquiavelismo. A mística de Péguy gera uma “outra realidade” - a política no sentido de domínio da imperfeição, mas, simultaneamente, como domínio da exigência. E Emmanuel Mounier falou-nos de pólo político e de pólo profético na acção humana: “se o compromisso é consentimento no desvio, na impureza (‘sujar as mãos’), não pode por isso consagrar a ambição da pessoa e dos valores que serve. A sua força criadora nasce da tensão fecunda que suscita entre a imperfeição da causa e a sua absoluta fidelidade aos valores criados”.

Guilherme d’Oliveira Martins

Edição: 22 de março de 2004