Home Sobre nós Serviços Novos sócios Bolsas Mecenas Contactos English Français
"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"
Helena Vaz da Silva LER BIOGRAFIA

A VIDA DOS LIVROS

“Correspondência, volume I, Cartas a Alberto Sampaio”, com organização, introdução e notas de Emília Nóvoa Faria e António Martins (Campo das Letras, 2008) é uma obra que nos revela, através dos seus amigos (já que só no volume II o teremos na primeira pessoa) a personalidade multifacetada de Alberto Sampaio, uma das figuras menos conhecidas da sua Geração, mas nem por isso de pouca importância. Alberto Sampaio (1841-1980), que nasceu em Guimarães e morreu na sua quinta de Boamense (em Vila Nova de Famalicão), singularizou-se como um dos criadores da moderna historiografia económica portuguesa. Escreveu “As Vilas do Norte de Portugal” e “Póvoas Marítimas do Norte de Portugal” (in “Estudos Históricos e Económicos”, 1923), obras ainda de leitura indispensável para conhecer as raízes portuguesas e a razão de ser da evolução do povoamento do território.

A VIDA DOS LIVROS
De 17 a 23 de Novembro de 2008.


“Correspondência, volume I, Cartas a Alberto Sampaio”, com organização, introdução e notas de Emília Nóvoa Faria e António Martins (Campo das Letras, 2008) é uma obra que nos revela, através dos seus amigos (já que só no volume II o teremos na primeira pessoa) a personalidade multifacetada de Alberto Sampaio, uma das figuras menos conhecidas da sua Geração, mas nem por isso de pouca importância. Alberto Sampaio (1841-1980), que nasceu em Guimarães e morreu na sua quinta de Boamense (em Vila Nova de Famalicão), singularizou-se como um dos criadores da moderna historiografia económica portuguesa. Escreveu “As Vilas do Norte de Portugal” e “Póvoas Marítimas do Norte de Portugal” (in “Estudos Históricos e Económicos”, 1923), obras ainda de leitura indispensável para conhecer as raízes portuguesas e a razão de ser da evolução do povoamento do território.


 Quinta de Boamense onde morreu Alberto Sampaio (Cabeçudos, Famalicão).


UMA VELHA AMIZADE COM ANTERO 
Alberto Sampaio e o seu irmão José conheceram Antero de Quental na Universidade de Coimbra e desde então se estabeleceu uma forte amizade que perduraria para além da morte do poeta micaelense, uma vez que a admiração e o culto prolongaram-se até ao fim da vida. Numa carta a Antero de 1866, Sampaio diz: “de todos os meus amigos parece-me que a nenhum escrevo nesta hora com tão bom ânimo como a ti, porque a nenhum deixo num estado de espírito que me inspire tanta confiança e em circunstância dentro e fora de si que tanto auxiliem”. E o certo é que este estado de espírito vamos encontrá-lo sempre, como uma constante, nesta epistolografia que faz um retrato muito interessante de uma geração intelectual das mais influentes na nossa história cultural. Sentimos os diversos interlocutores destes diálogos com Alberto Sampaio como se eles estivessem vivos e podemos imaginar o que foi a sua vida real, o que foram as suas preocupações e como se relacionavam. Nesse sentido, o critério usado pelos organizadores parece-nos feliz, uma vez que, agrupando as cartas pelos diferentes autores, podemos seguir os temas e as preocupações, o que facilita a compreensão das missivas. E quando tivermos o volume das Cartas de Alberto Sampaio será mais fácil reconstitur o diálogo e de entender o respectivo sentido geral.

TRATA-SE DE 45 ANOS DE CARTAS.
Desde os 22 anos até aos 67 anos de Alberto Sampaio. 216 epístolas de 33 remetentes. Há dois núcleos que avultam: o de Antero de Quental (como não poderia deixar de ser), com 87 cartas e o de Oliveira Martins, com 49. Surpreendentemente, falta a maior parte das cartas de Luís de Magalhães (chegando-nos apenas 5) e de Jaime Magalhães de Lima (só 2). Andam, por certo, perdidas, devendo continuar o esforço de reencontrá-las. Há a registar ainda o conjunto precioso de 13 cartas de Camilo, onde encontramos o intelectual erudito preocupado com as questões do rigor na substância e na forma. Vendo o conjunto, temos interlocutores do tempo de Coimbra, como José Falcão, os irmãos Faria e Maia, António de Azevedo Castelo Branco, Alberto Teles, Pinto Osório e Inácio de Vasconcelos; de Guimarães, como Francisco de Agra e Joaquim José Meira; historiadores, como Henrique da Gama Barros, Abade de Tagilde ou João Gomes de Abreu e Lima; arqueólogos, como Martins Sarmento, José Leite de Vasconcelos, Rocha Peixoto, José Fortes e Ricardo Severo; enologistas como Abílio da Costa Torres e José Macedo Souto Maior; jornalistas como Bento Carqueja; ou filólogos como Guilherme de Vasconcelos Abreu e Aniceto Gonçalves dos Reis. Os temas são os mais diversos, o que constitui um especial atractivo para a leitura da obra. Em primeiro lugar, é a amizade que se encontra e, em seguida, a agricultura, o afamado vinho clarete de Boamense (e as andanças das garrafas), a história económica, a filologia, a solidariedade e os empenhos. Quanto à solidariedade, é extraordinário, depois da morte de Antero, o apoio dado pelos amigos às órfãs de Germano Meireles (“as pequenas do nosso chorado Antero”), através de um sistema de partilha equitativa de encargos entre Oliveira Martins (o tesoureiro), Gustavo Barbosa (primo de Meireles), Alberto Sampaio (com duas partes pela participação do irmão José) e João Lobo de Moura. E relativamente aos pedidos, José Leite de Vasconcelos solicita a intervenção de Sampaio junto de Oliveira Martins, então Ministro da Fazenda.

ANTERO É, DE FACTO, A FIGURA DOMINANTE.
Ao lado dela está Oliveira Martins. Define-se, assim, um triângulo de relação de uma grande riqueza humana. E é muito curiosa uma carta de 24 de Setembro de 1868, de Francisco de Faria e Maia, onde este desmente, de modo amigo e irónico, as atoardas lançadas pelos detractores sobre a suposta loucura de Antero de Quental: “Recebi a tua carta e felizmente tenho a participar-te que o Antero não endoideceu: vive aqui sofrendo do estômago um pouco incomodado do sistema nervoso, mas a cabeça regula bem e tão bem como era de desejar que regulasse a dos que o fazem passar por doido”. Aqui se sente a amizade e a protecção que os amigos votavam ao poeta e figura primeira da geração. E essa protecção tinha como objectivo criar as condições para que Antero vivesse nas melhores condições psicológicas, como aconteceria aquando da fixação em Vila do Conde, no período mais feliz da sua vida, em que estava próximo dos seus amigos mais dilectos (como Sampaio e Oliveira Martins). Além de tudo mais, esta correspondência demonstra, com clareza que houve, de facto, uma Geração de Setenta, actuante, coerente, ligada entre si. E o caso de Alberto Sampaio é uma demonstração, bastante nítida, de que a sua acção e os seus estudos procuraram inserir-se nas preocupações gerais e nos objectivos comuns do grupo. A Geração caracteriza-se, assim, por uma ruptura cultural, simbolizada na questão coimbrã e nas conferências do Casino; pela necessidade de compreensão da sociedade em que viviam os seus membros, avultando o “Portugal Contemporâneo”, “Os Maias”, mas também os estudos de história económica de A.S. ; pela exigência de um projecto reformista coerente, expresso na “Vida Nova” (1885), no jornal “A Província” e da proposta sobre Fomento Rural, em que participou activamente o escritor de Boamense; por fim, deve referir-se a recusa do fatalismo do atraso que é uma característica de todo o grupo, em contraste com a enganadora ideia de decadência e “vencidismo”, tão divulgada.
UMA GERAÇÃO PARADOXAL
É verdade que a Geração de 70 sempre se afirmou como paradoxal, entre a crítica severa e a proposta audaz, mas o espírito comum é voluntarioso – e Sampaio aparece como uma figura paradigmática, de cidadão, de estudioso e de agricultor. O cidadão não regateia responsabilidades, o estudioso debruça-se infatigavelmente sobre os documentos e os testemunhos. O agricultor acredita na força criadora e na modernização dos métodos e das culturas. Afinal, não baixa os braços, crê num projecto histórico que continua. Segue os passos de Cícero na ligação entre a História e a vida, e como Antero nas “Causas da Decadência dos Povos Peninsulares” é contra um destino subalterno e humilhante. Não por acaso, estamos diante da “primeira geração a sair conscientemente dos caminhos da tradição”, como foi dito nas conferências de 1871 pelo seu principal animador. E Sampaio sente-o com muita força, e os seus interlocutores como que participam desse espírito. Por isso, ao lermos estas cartas sentimos que as pessoas estão vivas, com os seus anseios, o seu ânimo, os seus problemas e as suas opiniões. E compreendemos o que disse Luís de Magalhães: “o estudar e o escrever não foram nunca, para Alberto Sampaio, uma tarefa: foram um calmo e suave emprego do seu tempo, uma grata e deleitosa aplicação do seu espírito. Era um escritor à antiga, uma espécie de beneditino trabalhando pacientemente as suas obras, investigando com meticulosidade as suas fontes e os seus documentos, escrevendo como escrúpulo vernáculo numa língua simples, clara, elegante na sua sobriedade, nobre na sua despretensão, onde se sentia ainda a frequência dos clássicos e o salutar influxo do mestre ilustre que ele amava como homem e admirava como escritor – Alexandre Herculano”.   

oiça aqui as minhas sugestões na Renascença
                                                                                              Guilherme d'Oliveira Martins