Viagens Culturais

Ciclo Os Portugueses ao Encontro da sua História

Nestas viagens – que decorrem desde 1985 – o objetivo é ir ao encontro dos vestígios dos séculos XVI e XVII deixados pelos portugueses pelo mundo fora, realizando na atualidade novas formas de relacionamento com base nessa história comum. Acompanhadas por artistas cronistas, segue-se a publicação dos respetivos diários.

Viagens a realizar em 2019

A chegada de Vasco da Gama a Calicute, em 1498

Índia – da Costa do Coromandel à Costa do Malabar

:: 31 de agosto a 14 de setembro
Guia: Anísio Franco

No âmbito do ciclo “Os portugueses ao encontro da sua história”, o CNC propõe uma viagem aos locais de memória dos portugueses por São Tomé de Meliapor, Paliacate, Tuticurim, Coulão, Calicute, Cranganor e Cochim, sempre acompanhados pelo Dr. Anísio Franco.

Como é habitual nestas viagens, pretendemos levar, além dos sócios e amigos que se inscreverem, um escritor e um artista convidados com a finalidade de fazer um registo da viagem (Diário de Viagem) e de estabelecer relações institucionais no domínio cultural que possam prolongar-se para o futuro, prosseguindo os objetivos deste ciclo de viagens criado em 1985 por Helena Vaz da Silva com o objetivo de “trazer o nosso passado para o nosso presente”.

Da Costa do Coromandel à Costa do Malabar
por Anísio Franco

Quando se fala da presença dos portugueses na Índia, fala-se, antes de tudo, na cristianização dessas paragens longínquas. Para além da abertura de uma nova rota, que facilitava o transporte de pessoas e bens entre o mar Índico e a Europa, o que os portugueses estabeleceram foram laços culturais, que passaram, acima de tudo, por deixar marcas da cultura cristã em todas as costas indianas.
Uma das demandas mais interessantes, sempre presente nos discursos dos missionários que para a Índia seguiram, era a busca dos vestígios deixados pelo Apóstolo São Tomé, que segundo a tradição teria iniciado a cristianização do subcontinente indiano e por lá fora martirizado.
Os “cristãos de São Tomé” espalhavam-se ao longo da costa do sul do Malabar até ao Coromandel onde se encontrava o túmulo do próprio apóstolo. Tal ideia é divulgada por Damião de Goios na Chrónica do Felicíssimo Rei D. Manuel: “Estes costumes e crenças têm todos os cristãos que há desde Cranganor até Chormandel e Mailapur, onde jaz enterrado o Apóstolo São Tomé que pregou a Palavra de Nosso Senhor Jesus Cristo a estes de Cranganor e aos de Coulão e primeiro que a estes aos da ilha de Cocotorá como eles têm por suas lendas e livros autênticos.”
Fossem estes cristãos do rito nestoriano mais tarde obrigados a submeter-se ao padroado português, com sede em Goa, o que importa é que eles deram um sinal de esperança à possibilidade de cristianizar das terras entre o Malabar e o Coromandel. De facto, uma complexa teia de interesses, tanto comerciais como militares e políticos, estabeleceu-se entre as duas costas com especial enfoque para Cochim e São Tomé de Meliapor.
É no caminho dessa teia de relações, hoje apenas delatável pela presença de inúmeras igrejas de rito católico, com origem na passagem dos portugueses por esses lugares, que a nossa viagem se fará. Na verdade, uma aventura que poucos compatriotas nossos tentaram, mas que “Os portugueses ao encontro da sua História” com Centro Nacional de Cultura irão, com certeza, levar a bom porto.

>> Programa [provisório]

Caso deseje viajar connosco não hesite em contactar-nos por e-mail para hserra@cnc.pt ou por telefone – 21 346 67 22

Viagens hisToRY

hisToRY é o mais moderno e dinâmico projeto em Portugal dedicado exclusivamente ao Turismo Cultural Temático nas áreas da História e História de Arte. Resulta da parceria da agência de viagens Tryvel com o Centro Nacional de Cultura e o CHAM – Centro de Humanidades.

O principal objetivo desta iniciativa, é a estreia colaboração destas três entidades no sentido de potencializar a realização de viagens sobre História e Arte de alta qualidade. Não só em termos de serviço turístico (alojamento, transporte e gastronomia), mas essencialmente na otimização dos conteúdos históricos a visitar e na seleção criteriosa dos conferencistas.
A experiência dos profissionais da Tryvel em aliança com o Centro Nacional de Cultura na escolha dos temas e destinos e do CHAM na colaboração dos seus notáveis professores como guias, tornarão este novo conceito de viagens HISTORY na mais desejada via de concretização dos desejos do viajante cultural.

A Sereníssima República de Veneza

:: 4 a 16 de abril
com João Paulo Oliveira e Costa

Durante séculos Veneza foi um dos grandes centros mercantis do Mediterrâneo e foi mesmo a principal escápula das trocas entre a Ásia e a Cristandade, com particular destaque para o comércio das especiarias. Veneza projetou a sua força sobretudo em direção ao Mediterrâneo Oriental, nomeadamente para costa da margem oriental do mar Adriático, e para a maior parte das ilhas gregas. Ao longo dos tempos Veneza enfrentou grandes adversários, tendo começado por disputar a hegemonia do Mediterrâneo com Génova e tendo sido depois um dos principais defensores da Cristandade face à ofensiva otomana.
Hoje em dia a linha de costa que se estende de Veneza a Corfu é controlada por sete estados diferentes (Itália, Eslovénia, Croácia, Bósnia-Herzgovina, Montenegro, Albânia e Grécia), o que é um reflexo da importância crucial dessa linha de costa e da necessidade de todos os países da região terem acesso ao mar. O que é interessante é que há 400 anos essa mesma linha de costa era disputada por quatro potências: Veneza, o Sacro Império, os Turcos otomanos e a República de Ragusa. Ou seja a enorme importância estratégica da região já justificava lutas e divisões.
A viagem por portos da Sereníssima e seus rivais proporciona um contacto intenso com o mundo mediterrânico, ao mesmo tempo que os monumentos nos relembram os sucessivos senhores dessa linha de costa desde o tempo dos Romanos.
Programa completo aqui.

Viagens TryArt 

Parceria do Centro Nacional de Cultura com a agência de viagens Tryvel

Salvador Dalí

:: 22 a 26 de abril
com Pierre Léglise-Costa

Dalí foi certamente, com Picasso e Miró, um dos mais célebres artistas espanhóis do século XX. A sua personalidade e a sua capacidade de autopromoção fizeram dele uma figura mundialmente reconhecida, para a qual, sempre contribuiu, e é bom sublinhá-lo, a sua grande virtuosidade pictórica. O cinema interessá-lo-á sempre, aliás, e nos anos 50 participa em alguns filmes, o mais famoso sendo o sonho no centro de Spellbound do Hitchcock. A pintura é, no entanto, o fulcro da sua criação. Pode-se afirmar que entre 1927 e 1929 atinge já uma maturidade ao mesmo tempo técnica e artística. A obra de Dalí constitui um património artístico importante para o século XX. A variedade temática, as referencias, as formas diversas, as abordagens técnicas e estilísticas, nunca impedem o reconhecimento imediato da sua obra, cujo essencial é pintura, quase sempre de preferência a óleo. Uma viagem à Catalunha de Dalí é fundamental para melhor a entender.
Programa completo aqui.

Subscreva a nossa newsletter