Bolsas

Bolsas

Criar Lusofonia

Dirigidas a escritores de um dos oito países lusófonos com obra divulgada nacional e internacionalmente.

O concurso “Criar Lusofonia” patrocinado pelo Ministério da Cultura e gerido pelo Centro Nacional de Cultura, tem por objetivo a atribuição de bolsas no domínio da escrita para estadas de longa duração em países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

Pretende-se criar oportunidade de contacto aprofundado com outros países lusófonos aos escritores/investigadores de língua portuguesa a fim de produzirem uma obra destinada à divulgação no espaço lusófono. São instituídas duas bolsas de criação / investigação literárias que permitirão estadas de quatro meses em Portugal ou num dos outros sete países lusófonos, sendo uma das quais obrigatoriamente atribuída a um português.

Podem candidatar-se às bolsas de criação/investigação escritores e investigadores de nacionalidade Angolana, Brasileira, Caboverdiana, Guineense, Moçambicana, Portuguesa, São Tomense e Timorense, com obra divulgada publicamente nos seus países e, de preferência, também fora deles.

Este programa já contemplou escritores como José Eduardo Agualusa, Possidónio Cachapa, Miguel Real, Germano de Almeida, Ondjaki, Pedro Rosa Mendes e tantos outros.

Em outubro abrirá o novo prazo de candidaturas.

Apoio

Bolsas

Jovens Criadores

Os projetos dos candidatos poderão ser de criação, investigação ou formação, desenvolvidos em Portugal ou no estrangeiro, nas áreas de Música, Artes Visuais, Literatura e Artes do Espetáculo.

Trata-se de uma iniciativa apoiada pelo Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P., que tem como objetivo estimular o trabalho criativo dos jovens nas diversas áreas das Artes e das Letras, competindo ao Centro Nacional de Cultura a gestão do processo de seleção e acompanhamento dos bolseiros.

Dirigidas a jovens residentes em Portugal de idade não superior a 30 anos, pretende-se com as Bolsas Jovens Criadores incentivar e apoiar o trabalho criativo dos jovens nas diversas áreas das artes e das letras, nomeadamente nas áreas de Música, Artes Visuais, Literatura e Artes do Espetáculo. Este objetivo tem sido cumprido, quer pelo número crescente de jovens que concorrem desde 1990 (ano de lançamento do programa), quer pelos resultados dos projetos apresentados.

Considerando que à juventude cabe um particular papel no sentido de “atualizar” a tradição e a história, transpondo para o presente os seus ensinamentos e dando-lhe os seus ensinamentos e dando-lhes uma dimensão contemporânea, são encorajados os projetos que traduzam de algum modo a dupla dimensão “Tradição / Inovação” da Cultura Portuguesa. Os projetos poderão ser de criação, investigação ou formação e podem ser desenvolvidos em Portugal ou no estrangeiro. É atribuído anualmente um máximo de 8 a 10 bolsas, a escolher entre novos projetos apresentados e renovações do ano anterior.

A seleção destes jovens, a cargo de júris independentes convidados pelo Centro Nacional de Cultura, nem sempre é fácil devido ao grande número de projetos de qualidade apresentados anualmente. A aposta nos candidatos selecionados tem sido gratificante pelo excelente trabalho que desenvolvem e pelo indubitável contributo para o panorama cultural português.

Foram até hoje distribuídas mais de 200 bolsas, permitindo a muitos jovens consolidar as suas carreiras artísticas, tendo-se muitos deles distinguido na criação cultural e artística nacional.

Consulte aqui o anúncio dos Bolseiros selecionados em 2022.

Apoio

Subscreva a nossa newsletter