Home Sobre nós Serviços Novos sócios Bolsas Mecenas Contactos English Français
"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"
Helena Vaz da Silva LER BIOGRAFIA

A Vida dos Livros

Semanalmente, poderá encontrar a escolha de um livro por Guilherme d’Oliveira Martins. 
UM LIVRO POR SEMANA
A série “Reis de Portugal” do Círculo de Leitores, em que se integra a obra que referimos hoje, constitui uma iniciativa de assinalável qualidade que merece ser saudada. Falo de “D. Carlos”, da autoria de Rui Ramos (2006), onde o autor procede a uma análise da vida do monarca biografado e do período muito complexo em que viveu. Rui Ramos fez larga investigação sobre a segunda metade do século XIX e início do século XX, que se materializou, designadamente, no volume que dirigiu da “História de Portugal”, coordenada por José Mattoso ou na investigação que realizou sobre a “Vida Nova” e sobre a figura de João Franco.
> Ler mais
UM LIVRO POR SEMANA - de 19 a 25 de Janeiro
“O Mito dos Jesuítas em Portugal, no Brasil e no Oriente” de José Eduardo Franco (2 volumes, Gradiva, 2006) é uma obra de historiografia e antropologia religiosa que se destaca pela qualidade da investigação que contém e pela grande cópia de fontes que abarca. A partir de agora, quem quiser estudar a Companhia de Jesus terá de recorrer a este estudo, que apresenta não só uma sólida fundamentação nas fontes, mas também uma análise segura e séria da problemática em questão.
> Ler mais
Um livro por Semana- Semana de 12 a 19 de Fevereiro de 2007
“Aproximações” de Agostinho da Silva (Guimarães Editores, 1960) é um livro constituído por reflexões que ilustram um momento importante na trajectória intelectual do autor, em que este evolui do racionalismo crítico seareiro para o humanismo espiritualista. E diz-nos, em dado passo: “Chegou a hora de irmos por um caminho inteiramente diferente e em que percamos muito menos tempo a discutir a teoria, embora ela deva estar continuamente presente ao nosso espírito e embora o sinal supremo dessa atitude de política, estejamos dispostos a substitui-la por outra que se nos demonstre mais verdadeira. Mas o que vai decidir tudo é a própria acção.
> Ler mais
UM LIVRO POR SEMANA
“Pela Mão de Alice – O Social e o Político na Pós-Modernidade” de Boaventura de Sousa Santos (Edições Afrontamento, 1994) é uma obra que merece atenção por representar uma tentativa de leitura da realidade sociológica contemporânea, com destaque para a transição entre o que o autor designa como perspectivas moderna e pós-moderna. Estamos perante uma análise da realidade portuguesa como “sociedade semiperiférica”, cujas especificidade e complexidade, das “condições económicas, sociais, políticas e culturais”, conduz a uma dupla exigência de acção.
> Ler mais
UM LIVRO POR SEMANA
José Mattoso em “A Identidade Nacional” (Gradiva, 1998) traça de um modo claro e compreensivo um quadro conceptual que nos permite lidar com naturalidade e sem dramatismos com o tema complexo da identidade. Em lugar de uma visão centrada apenas no que distingue, esquecida da complexidade e do relacionamento com outras realidades e outras culturas, o historiador assume uma perspectiva aberta sobre a identidade, com os olhos na compreensão da diferença.
> Ler mais
UM LIVRO POR SEMANA
“Spheres of Justice” de Michael Walzer (Basic Books, 1983) é uma obra referencial da moderna filosofia política (tradução portuguesa, Presença, 1999). Num tempo em que a reflexão sobre o Estado social moderno obriga à compreensão das novas realidades económicas e sociais que condicionam a construção e a consolidação da democracia, Walzer lança caminhos novos que aprofundam e completam as pistas já lançadas por outros autores como John Rawls, Habermas ou Quentin Skinner.
> Ler mais
UM LIVRO POR SEMANA
Nas comemorações dos cinquenta anos da Fundação Calouste Gulbenkian Paula Rego pintou o tríptico “Vanitas”, a partir do conto de Almeida Faria “Vanitas – 51, Avenue d’Iéna”, agora dado à estampa em livro com introdução de Eduardo Lourenço. O conto, que começou por ser publicado na “Colóquio-Letras” e agora foi revisto e aumentado, permite-nos usufruir de um texto onde o fantasma do antigo habitante dessa casa parisiense, plena de recordações e cheia de referências artísticas, revive num monólogo singularíssimo, que Jorge Silva Melo apresentou, com muito humor e erudição no passado dia 11 de Janeiro no Centro de Arte Moderna.
> Ler mais
UM LIVRO POR SEMANA
“A Nuvem do Não-Saber” de um autor inglês anónimo do século XIV, publicada na colecção Teofanias, dirigida por José Tolentino de Mendonça (Assírio & Alvim), é uma obra surpreendente pela limpidez e clareza que conserva, quase sete séculos depois de ter sido escrita. José Mattoso, no magnífico prefácio que assina, recorda-nos, aliás, que estamos perante o que é classificado por historiadores da mística cristã como “um dos mais belos textos místicos de todos os tempos”.
> Ler mais