Home Sobre nós Serviços Novos sócios Bolsas Mecenas Contactos English Français
"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"
Helena Vaz da Silva LER BIOGRAFIA

A Vida dos Livros

Semanalmente, poderá encontrar a escolha de um livro por Guilherme d’Oliveira Martins. 
A VIDA DOS LIVROS
17 Mar 2008 - “Diário Português (1941-1945)” de Mircea Eliade (Guerra e Paz, 2008) é um retrato em tempo de guerra, feito a partir de Lisboa, pelo olhar de um dos grandes especialistas da história das religiões do século XX. Mas, mais do que isso, é um ensaio que prenuncia a maturidade de pensamento do seu autor. E se há um olhar marcado pela época e pela evolução política e intelectual da Roménia antes e durante a guerra, o certo é que ele nos permite entender melhor a angústia de Mircea Eliade (1907-1986) perante as perplexidades contrastantes e contraditórias a propósito do que se passa no seu país, na Europa e na sociedade portuguesa no início dos anos quarenta, e o drama pessoal que vive. Sente-se, porém, uma obsessão ligada à consciência da destruição de uma sociedade que Eliade desejaria preservar, mas que vê destruir-se inexoravelmente, o que agrava o seu drama íntimo.
> Ler mais
A VIDA DOS LIVROS
10 Mar 2008 - Joel Serrão (1919-2008) acaba de nos deixar, mas a sua acção perdurará, influente e renovadora. Por isso, escolhemos para invocar a sua memória, a recordação de um pequeno livro, bem demonstrativo da importância do historiador e do pedagogo – referimo-nos a “Do Sebastianismo ao Socialismo em Portugal” (Livros Horizonte, 1969). Numa obra vasta e multifacetada, de quem foi essencialmente um cidadão, um professor e um mestre de várias gerações, sempre disponível para abrir novos caminhos, com rigor crítico, Joel Serrão interessou-se pelo século XIX, pela história política, mas também pela poesia, e por isso, ao lermo-lo, podemos entender a história como ciência e vida, o que nos permite compreender melhor de onde vimos e quem somos.
> Ler mais
A VIDA DOS LIVROS
03 Mar 2008 - “Garrett e os Estados Unidos da América” de Duarte Ivo Cruz (Civilização Editora, 2007) é o resultado de uma interessante e útil investigação sobre aspectos da vida do grande escritor português do século XIX, enquanto diplomata e arguto intelectual, bem consciente dos grandes problemas do seu tempo. Ivo Cruz fala-nos, por isso, muito justamente, de uma “inteligência visionária”, já conhecida em muitos dos textos e reflexões de Garrett, mas que fica ainda mais evidente nos temas a que esta obra se reporta. Se os críticos do polígrafo oitocentista se têm preocupado em invocar tantas vezes a frivolidade da personagem teatral que ele foi, a verdade é que se torna impossível, para quem se debruce sobre a vida do homem e do artista, deixar de reconhecer o seu enorme talento, a sua grande inteligência e sobretudo a sua capacidade de ver para além das imediatas aparências.
> Ler mais
A VIDA DOS LIVROS
25 Fev 2008 - O número 143, de Fevereiro de 2008, da revista britânica “Prospect Magazine” dedica um importante texto e uma entrevista ao filósofo canadiano Charles Taylor (1931), uma das grandes referências do pensamento contemporâneo, que merecem leitura atenta. A revista mensal foi lançada em Outubro de 1995 pelo seu actual editor David Goodhart, tendo como objectivo criar um espaço inteligente e aberto de debate e informação. Segundo Sir Jeremy Isaacs tratou-se de criar algo “mais legível que o Economist, mais relevante que o Spectator e mais romântico que o New Statesman”. E o resultado é que, ao longo dos treze anos de vida, o projecto ganhou uma reputação assinalável, que permite considerá-lo como um exemplo no panorama europeu.
> Ler mais
A VIDA DOS LIVROS
18 Fev 2008 - “Portugal como Destino, seguido de Mitologia da Saudade” de Eduardo Lourenço (Gradiva, 1999) constitui uma das obras emblemáticas do autor, onde se encontra um conjunto de ensaios, plenos de estimulantes desafios, sobre a cultura portuguesa e sobre as nossas dúvidas e angústias colectivas, sempre na perspectiva de tentar perceber como conseguimos durar ao longo dos séculos e ultrapassar inúmeras vicissitudes, apesar de um forte sentido autocrítico e de um pessimismo, que muitos confundem com derrotismo.
> Ler mais
A VIDA DOS LIVROS
11 Fev 2008 - “Marginálias” é um conjunto de textos de Ramón Gómez de la Serna (1888-1963), com ilustrações de Almada Negreiros (1893-1970) (texto bilingue com tradução para português de José Colaço Barreiros, Bedeteca de Lisboa, Assírio e Alvim, 2006), com prólogos de Juan Manuel Bonet e de Fernando Cabral Martins. A edição partiu da exposição “El Alma de Almada El Impar: Obra gráfica 1926-31) e permite-nos ter contacto com as ilustrações de Almada Negreiros, numa fase crucial da sua afirmação, em contacto com uma das referências da vida cultural espanhola do seu tempo. Gómez de la Serna foi, de facto, uma das figuras mais admiradas do “vanguardismo”, que colaborou nas principais revistas do seu tempo (Revista de Occidente, Cruz y Raya, Sur) e foi autor de uma obra que ainda hoje é lembrada em Espanha e na América Latina, em especial na Argentina, para onde foi viver e onde morreu.
> Ler mais
A VIDA DOS LIVROS
04 Fev 2008 - Na semana em que se assinalam os 400 anos sobre o nascimento do Padre António Vieira, ocorrido em Lisboa, na rua dos Cónegos, à Sé, a 6 de Fevereiro de 1608, invocamos os "Sermões" - que presentemente podem ser lidos, quando se prepara uma nova edição, nas designadas "Obras completas" do Padre António Vieira. (com prefácio e revisão do Padre Gonçalo Alves, Livraria Chardron, Porto, 1907-1909, 15 volumes, com várias edições, designadamente: Lello e Irmão, Porto, 1951, 15 vol. e em papel bíblia, 5 vol. 1959) que contêm apenas os 207 sermões da edição princeps (1679-1748).
> Ler mais
A VIDA DOS LIVROS
28 Jan 2008 - A História Política tem ganho uma nova importância e por isso escolhemos o livro de Maria de Fátima Bonifácio “Estudos de História Contemporânea de Portugal” (Imprensa de Ciências Sociais, 2007), onde encontramos análises e reflexões que nos permitem compreender melhor o motivo deste renovado interesse, bem como a necessidade de dar maior atenção a esta disciplina. Num momento em que o vazio de valores se associa à indiferença, torna-se indispensável recorrer à investigação e ao estudo dos temas de História Política como forma de tentar perceber o papel das pessoas e da sociedade, bem como a evolução complexa dos acontecimentos e a pluralidade de factores que intervêm na vida colectiva.
> Ler mais