Home Sobre nós Serviços Novos sócios Bolsas Mecenas Contactos English Français
"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"
Helena Vaz da Silva LER BIOGRAFIA

A Vida dos Livros

Semanalmente, poderá encontrar a escolha de um livro por Guilherme d’Oliveira Martins. 
A VIDA DOS LIVROS
Na passagem dos cinquenta anos da morte de Aquilino Ribeiro (1885-1963) merece evocação uma das suas obras mais influentes e atuais. «A Casa Grande de Romarigães» (1957) é um livro de maturidade e de referência. O grande cultor da língua portuguesa manifesta-se em toda a sua riqueza, indo ao encontro das raízes da identidade e da língua.
> Ler mais
A VIDA DOS LIVROS
«Governação Inteligente para o Século XXI – Uma Via intermédia entre Ocidente e Oriente» de Nicolas Berggruen e Nathan Gardels (Objectiva, 2013) é uma reflexão estimulante e discutível, como tudo o que vale a pena, que não apresenta receitas ou programas, mas sim valiosas pistas para debate.
> Ler mais
A VIDA DOS LIVROS
António Lobo Antunes acaba de subscrever o manifesto «A Europa ou o Caos», apresentado por um conjunto de prestigiados intelectuais europeus que apela à consciência dos governantes e dos cidadãos europeus no sentido de se empenharem ativamente na construção europeia como uma questão de sobrevivência.
> Ler mais
A VIDA DOS LIVROS
Assinalamos os cinquenta anos da criação de revista «O Tempo e o Modo», tão ligada ao Centro Nacional de Cultura, marco fundamental na renovação do debate de ideias, bem como do pensamento e da ação no início dos anos sessenta, graças ao impulso, à premonição e à generosidade de António Alçada Batista (1927-2008) e da equipa que constituiu na Livraria Moraes, num momento decisivo de mudança no destino português, aberto em 1958 pela candidatura presidencial de Humberto Delgado, pelo célebre memorando do Bispo do Porto dirigido a Salazar e por tudo o que se seguiu.
> Ler mais
A VIDA DOS LIVROS
Em 1938, Pedro Calmon (1902-1985) publicou o livro «O Rei Filósofo – Vida de D. Pedro II» (Companhia Editora Nacional), onde podemos encontrar o percurso humano, político e cultural de uma das figuras mais enigmáticas e apaixonantes da história do Brasil. O historiador brasileiro viria a publicar mais tarde (José Olympio, 1975) uma obra monumental, em cinco volumes, «História de D. Pedro II», onde a vida do Imperador é escrutinada em pormenor, no contexto do seu tempo. No entanto, o livro de 1938 é ainda hoje o que melhor permite um conhecimento impressivo e humano da personalidade de D. Pedro II e das suas qualidades intelectuais e cívicas.
> Ler mais
A VIDA DOS LIVROS
O último número da revista «Didaskalia» da Faculdade de Teologia da Universidade Católica, dirigida pelo Padre José Tolentino Mendonça (2012, vol. XLII, fascículo II) assinala os cinquenta anos do início do Concílio Vaticano II. Há um conjunto muito relevante de textos, permitindo-me destacar de Geraldo de Mori «O aggiornamento como categoria teológica», «Uma hermenêutica criativa ao serviço da renovação pastoral», de José Eduardo Borges de Pinho, a invocação de Michel de Certeau por Stella Morra, e os ensaios de José Manuel Pereira de Almeida sobre «Percursos da Teologia Moral» e de João Manuel Duque sobre «A condição do crente perante os desafios do futuro».
> Ler mais
A VIDA DOS LIVROS
«Confissões de Um Poeta» (Difusão Europeia do Livro, S. Paulo, 1979), de Lêdo Ivo (1924-2012) é uma obra inesgotável de energia, onde se nota o poeta invocando, em todo o seu esplendor, a sua vida e os caminhos que ele trilhou. O testemunho que se segue homenageia o poeta, o memorialista, o ensaísta e o contista. Como diria Eugénio Lisboa: a obra é uma «espécie de pot pourri de grande classe, que não exclui ainda para nosso benefício, nem a máxima penetrante, nem, aqui ou ali, o apotegma visionário, ou a sentença firme, desenvolta e alada».
> Ler mais
A VIDA DOS LIVROS
Quando Albert Otto Hirschman (1915-2012), agora falecido, escreveu «Exit, Voice and Loyalty – Responses to Decline in Firms, Organizations and States» (Harvard Press University, 1970) talvez não pudesse prever como a obra depressa se tornou decisiva para a compreensão dos modernos problemas da ciência económica e da ciência política, de modo a superar as limitações das simplificações lineares, da incerteza e da mudança das circunstâncias.
> Ler mais