Home Sobre nós Serviços Novos sócios Bolsas Mecenas Contactos English Français
"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"
Helena Vaz da Silva LER BIOGRAFIA

"O IGNORANTE OLHAR" - PINTURA DE MARIA ANDRESEN

A exposição de Maria Andresen poderá ainda ser visitada nos dias 14, 16, 19, 20 e 21 de junho, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00, na Galeria Fernando Pessoa do CNC.

Nas palavras de Sílvia Chicó, “O que esta pintura reflete, na sua coerência, talvez se deva à prática de outras modalidades criativas, da poesia mesmo. E não haverá mesmo uma transmutação natural entre linguagens, que transcende, ultrapassa e quase dispensa o abecedário imposto pelas academias? Assim parece.”

Maria Andresen nasceu no Porto, Portugal, e vive em Lisboa.

Foi professora de Literatura Contemporânea na Faculdade de Letras Universidade de Lisboa, entre 1987 e 2010.

A partir de 2011 frequentou cursos de Pintura nas Escolas Ar.Co (Lisboa) e MArt (Lisboa).

Exposições coletivas:

2013 – Lisboa, Loja/Atelier Inma Ruiz;

2014 – Lisboa, Espaço Mart;

2015 – Braga, Casa Museu Nogueira da Silva;

– Exposição de um trabalho num outdoor no espaço público de Lisboa (Av. Roma) no âmbito do projeto MUPI, (curadoria de Sandro Resende, e a colaboração de Mart, Câmara Municipal de Lisboa, Gráfica Planimagem e designer Paulo Pires);

– Exposição “Vaga luz”, realizada por MArt em parceria com o Museu Medeiros e Almeida, no espaço do Museu e no Espaço MArt (julho-agosto) de 2015);

– Participação, com um poema exposto, na exposição “A Luz de Lisboa”, realizada em Museu de Lisboa – Torreão Poente, de 17 de julho de 2015 a 27 de março de 2016; organização da Câmara Municipal de Lisboa – Direcção Municipal da Cultura; comissariada por Acácio de Almeida e Ana Maria Eiró.

Publicações

Poesia e Pensamento (ensaio), Editorial Caminho, 2001;

Lugares (poesia), Relógio D’Água, 2001;

Livro das Passagens (poesia), Relógio D’Água, 2006;

Lugares 3, (poesia), Relógio D’Água, 2010;

Participou, em diferentes publicações, com ensaios sobre relações entre poesia e pintura, entre poesia e cinema e entre pintura e literatura e, ainda sobre vários poetas - Wallace Stevens, Francis Ponge, João Cabral de Mello Neto, Fernando Pessoa, Sophia de Mello Breyner Andresen, Alexandre O’Neill;

Está representada em várias antologias de poesia, em Portugal e no estrangeiro. Em 2016, vários poemas seus, que têm a pintura como tema, são integrados na antologia Passagens / Poesia e Artes Plásticas, Joana Matos Frias (org.), Assírio e Alvim, 2016.