Home Sobre nós Serviços Novos sócios Bolsas Mecenas Contactos English Français
"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"
Helena Vaz da Silva LER BIOGRAFIA

Viagens Internacionais

CICLO "OS PORTUGUESES AO ENCONTRO DA SUA HISTÓRIA 2019"

7 a 15 de junho :: São Tomé e Príncipe - Cultura, biodiversidade e ciência


A biodiversidade em São Tomé e Príncipe é reconhecida por especialistas de todo o mundo, nomeadamente na ilha do Príncipe, a primeira Reserva da Biosfera em São Tomé, que integra a lista global das Reservas da UNESCO e inclui a totalidade da área emersa do Príncipe, os ilhéus e as ilhas Tinhosas.
Acompanhados pelo Chef João Carlos Silva e por um especialista do Museu Nacional de História Natural e da Ciência da Universidade de Lisboa, esta “embaixada cultural” irá ao encontro da nossa História comum, do património natural, mas também do património edificado, etnográfico, linguístico, gastronómico, literário ou musical.
Aproveitaremos para celebrar o centenário das observações do eclipse total do Sol na ilha do Príncipe, realizadas a 29 de maio de 1919 pelo astrónomo inglês Arthur Eddington, que constituíram a primeira prova direta da teoria da relatividade de Albert Einstein.

31 de agosto a 14 de setembro :: Ceilão, Querala e São Tomé de Meliapor


Chegou finalmente o momento de o Centro Nacional de Cultura visitar Ceilão, importante porta marítima para a metade oriental do Índico.
Entre 31 de agosto e 14 de setembro, acompanhados por Anísio Franco, visitaremos também a costa do Malabar, onde Vasco da Gama e os portugueses pisaram pela primeira vez solo asiático em 1498 - Calecute, Cranganor e Cochim, e a costa do Coromandel, em São Tomé de Meliapor. Em Ceilão, destacam-se no programa as visitas a Colombo, Negombo, Mannar, Trincomalee, Batticaloa e Galle.



Viagens hisToRY
Parceria do Centro Nacional de Cultura com o CHAM - Centro de Humanidades e Tryvel
hisToRY é o mais moderno e dinâmico projeto em Portugal dedicado exclusivamente ao Turismo Cultural Temático nas áreas da História e História de Arte. Resulta da parceria da agência de viagens Tryvel com o Centro Nacional de Cultura e o CHAM - Centro de Humanidades.

O principal objetivo desta iniciativa, é a estreia colaboração destas três entidades no sentido de potencializar a realização de viagens sobre História e Arte de alta qualidade. Não só em termos de serviço turístico (alojamento, transporte e gastronomia), mas essencialmente na otimização dos conteúdos históricos a visitar e na seleção criteriosa dos conferencistas.
A experiência dos profissionais da Tryvel em aliança com o prestigiado Centro Nacional de Cultura na escolha dos temas e destinos e do CHAM na colaboração dos seus notáveis professores como guias, tornarão este novo conceito de viagens HISTORY na mais desejada via de concretização dos desejos do viajante cultural.

17 a 31 de janeiro :: A Descoberta da África do Sul: Das caravelas quatrocentistas aos exploradores modernos

África do Sul, Zimbabwe e Botswana, com João Paulo Oliveira e Costa 
Os Descobrimentos portugueses desencadearam o processo de Globalização das relações da Humanidade e provocaram uma Revolução Geográfica. A busca da Índia das especiarias exigia a descoberta de uma passagem entre o Atlântico e o Índico, o que foi alcançado por Bartolomeu Dias e confirmado por Vasco da Gama. A primeira parte deste percurso é consagrada à visita aos locais mais relevantes dessas duas viagens. Através da cartografia, da narrativa dos cronistas e do diário de Vasco da Gama poderemos conhecer os locais onde as tripulações desembarcaram e as peripécias vividas nessas primeiras explorações. Além dos textos históricos, teremos ainda ocasião para recordar o modo como esses mesmos feitos foram assinalados por Luís Vaz de Camões n’ Os Lusíadas. A passagem por este país não pode ignorar os importantes acontecimentos das últimas décadas, em que se deu uma transição difícil de um regime de apartheid para uma democracia. A visita à antiga prisão de Nelson Mandela, em Robben Island e ao Museu do Apartheid, em Joanesburgo, serão, por isso, pontos relevantes.
A segunda parte do nosso itinerário decorrerá no interior da África meridional e permitirá evocar os esforços centenários de reconhecimento do interior do continente e as lutas travadas pelos europeus na segunda metade do séc. XIX, que levaram à definição do atual mapa político de África. Victoria Falls, além da sua beleza natural, é o local ideal para lembrarmos o processo que levou à Conferência de Berlim e que esteve igualmente na origem da crise do mapa cor-de-rosa. 
Programa completo aqui

7 a 13 de março :: A Inglaterra Romana

Com Rodrigo Banha da Silva 
A Britannia é conquistada entre 43 d.C. e 84 d.C., mas rapidamente se constitui como uma parte fulcral do Norte do Império Romano. A ilha vê novas cidades despontarem, uma rede coerente de estradas ser rasgada na paisagem e os bretões adquirirem uma plena romanidade. Com o exército como presença marcante no território, a mando do Imperador Adriano 63 km de muralha separaram, a partir de 122 d.C., a província romana das terras altas da Escócia: trata-se da segunda mais extensa construção humana do planeta, percorrendo transversalmente a ilha. Os quatro séculos romanos da Britannia marcam de forma indelével o que é a Grã-Bretanha hoje, e legaram-nos alguns dos mais fascinantes sítios e achados arqueológicos romanos de todo o Império: da Muralha da Adriano aos grandes banhos de Bath, como da cabeça em bronze de Adriano, de Londres, à carta de uma mãe enviando umas meias quentes a um filho soldado, estacionado em Vindolanda. 
Programa completo aqui

4 a 16 de abril :: A Sereníssima República de Veneza

com João Paulo Oliveira e Costa 
Durante séculos Veneza foi um dos grandes centros mercantis do Mediterrâneo e foi mesmo a principal escápula das trocas entre a Ásia e a Cristandade, com particular destaque para o comércio das especiarias. Veneza projetou a sua força sobretudo em direção ao Mediterrâneo Oriental, nomeadamente para costa da margem oriental do mar Adriático, e para a maior parte das ilhas gregas. Ao longo dos tempos Veneza enfrentou grandes adversários, tendo começado por disputar a hegemonia do Mediterrâneo com Génova e tendo sido depois um dos principais defensores da Cristandade face à ofensiva otomana.
Hoje em dia a linha de costa que se estende de Veneza a Corfu é controlada por sete estados diferentes (Itália, Eslovénia, Croácia, Bósnia-Herzgovina, Montenegro, Albânia e Grécia), o que é um reflexo da importância crucial dessa linha de costa e da necessidade de todos os países da região terem acesso ao mar. O que é interessante é que há 400 anos essa mesma linha de costa era disputada por quatro potências: Veneza, o Sacro Império, os Turcos otomanos e a República de Ragusa. Ou seja a enorme importância estratégica da região já justificava lutas e divisões.
A viagem por portos da Sereníssima e seus rivais proporciona um contacto intenso com o mundo mediterrânico, ao mesmo tempo que os monumentos nos relembram os sucessivos senhores dessa linha de costa desde o tempo dos Romanos.
Programa completo aqui

Viagens TryArt 
Parceria do Centro Nacional de Cultura com a Tryvel

22 a 26 de abril :: Salvador Dalí

com Pierre Léglise-Costa 
Dali foi certamente, com Picasso e Miró, um dos mais célebres artistas espanhóis do século XX. A sua personalidade e a sua capacidade de autopromoção fizeram dele uma figura mundialmente reconhecida, para a qual, sempre contribuiu, e é bom sublinhá-lo, a sua grande virtuosidade pictórica. O cinema interessá-lo-á sempre, aliás, e nos anos 50 participa em alguns filmes, o mais famoso sendo o sonho no centro de Spellbound do Hitchcock. A pintura é, no entanto, o fulcro da sua criação. Pode-se afirmar que entre 1927 e 1929 atinge já uma maturidade ao mesmo tempo técnica e artística. A obra de Dalí constitui um património artístico importante para o século XX. A variedade temática, as referencias, as formas diversas, as abordagens técnicas e estilísticas, nunca impedem o reconhecimento imediato da sua obra, cujo essencial é pintura, quase sempre de preferência a óleo. Uma viagem à Catalunha de Dalí é fundamental para melhor a entender. 
Programa completo aqui.


 

Edição: 17 de março de 2014