Home Sobre nós Serviços Novos sócios Bolsas Mecenas Contactos English Français
"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"
Helena Vaz da Silva LER BIOGRAFIA

Viagens Internacionais

  • Ciclo Os Portugueses ao encontro da sua História 2018

África Oriental: Tanzânia e Moçambique - CANCELADA
25 de agosto a 8 de setembro
Nas viagens deste ciclo, o CNC procura ir ao encontro dos vestígios deixados pelos portugueses dos séculos XVII e XVIII pelo mundo fora realizando na atualidade novas formas de relacionamento com base nessa história comum. Em 2018, propõe-se uma viagem à Tanzânia e a Moçambique, uma vez mais em parceria com o CHAM - Centro de Humanidades (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e Universidade dos Açores), contando com o acompanhamento do especialista para a herança portuguesa, Professor João Paulo Oliveira e Costa.

Trata-se de uma viagem focada no legado português dos séculos XVI e XVII, com visita a Zanzibar e Quiloa, na Tanzânia e à Ilha de Moçambique, Vila de Sena e as cidades da Beira e Maputo.

Malta - 9 a 14 de novembro, com Anísio Franco

A presença portuguesa em Malta ocorre no século XVIII, quando foi nomeado o primeiro grão-mestre português da Ordem de Malta,António Manoel de Vilhena (1672-1736) que revolucionou o urbanismo e a arquitectura desta Ilha. Em Valletta testemunharemos esta revolução nas ruas, nos edifícios, na toponímia, na língua na arte e cultura local.
O CNC propõe esta especial viagem do ciclo “Os portugueses ao encontro da sua História” onde irá conhecer melhor a influência e herança portuguesa em Malta, visitando Valletta, Mdina (ambas classificadas Património da Humanidade pela UNESCO) e Rabat, entre outros locais da Ilha. Não deixará de assistir a um dos concertos organizados dentro do programa de Valletta 2018 - Capital Europeia da Cultura.
>> Programa 

 

:: Parceria CNC / Tryart

O Samurai Negro - Japão, 18 a 30 de janeiro, com João Paulo Oliveira e Costa

Os romances O Samurai Negro e O Xogum constituem as duas primeiras partes de uma saga de duas famílias, uma de mestiços luso-japoneses fixada em Nagasaki e outra italiana, estabelecida em Roma. O romance baseia-se na História da presença portuguesa no Japão que se prolongou de 1543 a 1639. Ao longo desta viagem iremos visitar muitos dos locais referidos nos romances.


Os Grandes Pintores do Sul de França - Nice, Antibes e Provence, 24 a 28 de abril, com Pierre Léglise-Costa

Passear pela Provença e pela Côte d’Azur tendo como objetivo a visita a alguns dos pintores mais famosos entre o fim do século XIX e o século XX que lá se estabelece­ram, é ocasião para admirar as obras de arte e, ao mesmo tempo, tentar entender o que os atraiu naquelas paisagens, naquela luz, naquelas cores.


Palladio e o Veneto - Itália, 10 a 15 de setembro, com Anísio Franco

A figura do arquiteto Andrea Palladio serve-nos de pretexto para organizar um passeio à região do Veneto. As obras deste artista são de tal modo fascinantes, que lograram ganhar um lugar único na história da arte ocidental de forma que até se atribui o nome do arquiteto a um estilo de edificações.

A Alma e História da Rússia - Rússia, 20 de setembro a 1 de outubro, com João Paulo Oliveira e Costa

Para descobrir a alma russa não basta visitar as duas cidades mais emblemáticas e mais recentes capitais. É preciso percorrer outras regiões, ao longo dos rios que sempre foram os eixos construtivos do país e da sua civilização. Viajaremos, por isso, primeiro de Moscovo até Astrakhan e numa segunda viagem de São Petersburgo até Kiev.

Churchill - Inglaterra, 28 a 31 de outubro, com Cláudia Ninhos

Político carismático e orador brilhante, dotado de um sentido de humor mordaz, Winston Churchill conduziu os destinos da Grã-Bretanha durante a Segunda Guerra Mundial, tendo um papel crucial na vitória sobre o Nazismo. Foi também historiador e escritor prolífico, tendo sido galardoado com o Prémio Nobel da Literatura em 1953. Nesta viagem iremos descobrir as múltiplas facetas de Winston Churchill, visitando os “lugares de memória” ligados a esta figura incontornável.

A Descoberta da África do Sul: Das caravelas quatrocentista aos exploradores modernos África do Sul, Zimbabwe e Botswana, 17 a 31 de janeiro 2019, com João Paulo Oliveira e Costa

Os Descobrimentos portugueses desencadearam o processo de Globalização das relações da Humanidade e provocaram uma Revolução Geográfica. A busca da Índia das especiarias exigia a descoberta de uma passagem entre o Atlântico e o Índico, o que foi alcançado por Bartolomeu Dias e confirmado por Vasco da Gama. A primeira parte deste percurso é consagrada à visita aos locais mais relevantes dessas duas viagens. Através da cartografia, da narrativa dos cronistas e do diário de Vasco da Gama poderemos conhecer os locais onde as tripulações desembarcaram e as peripécias vividas nessas primeiras explorações. Além dos textos históricos, teremos ainda ocasião para recordar o modo como esses mesmos feitos foram assinalados por Luís Vaz de Camões n’ Os Lusíadas. A passagem por este país não pode ignorar os importantes acontecimentos das últimas décadas, em que se deu uma transição difícil de um regime de apartheid para uma democracia. A visita à antiga prisão de Nelson Mandela, em Robben Island e ao Museu do Apartheid, em Joanesburgo, serão, por isso, pontos relevantes.

A segunda parte do nosso itinerário decorrerá no interior da África meridional e permitirá evocar os esforços centenários de reconhecimento do interior do continente e as lutas travadas pelos europeus na segunda metade do séc. XIX, que levaram à definição do atual mapa político de África. Victoria Falls, além da sua beleza natural, é o local ideal para lembrarmos o processo que levou à Conferência de Berlim e que esteve igualmente na origem da crise do mapa cor-de-rosa. 

Picasso em Espanha - Madrid, Barcelona e Málaga, com Pierre Léglise-Costa   [datas a anunciar]

A personalidade de Picasso domina a vida artística da primeira metade do século XX e bem além. Nenhum artista, digamos, desde Michelangelo, espantou, subjugou, criou polémica e incomparável admiração como Picasso. A sua obra - abrangendo todas as técnicas e disciplinas: pintura, desenho, cerâmica, gravura, escultura, tapeçaria - foi antecipadora e determinante para a história das artes.


Edição: 17 de março de 2014