Home Sobre nós Serviços Novos sócios Bolsas Mecenas Contactos English Français
"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"
Helena Vaz da Silva LER BIOGRAFIA

De 28 de Abril a 4 de Maio de 2003

A Festa no Chiado já está em movimento. Muitas iniciativas terão lugar de 5 a 10 de Maio - com o objectivo de animar a Baixa lisboeta. É indispensável que as galerias, as livrarias, o comércio, as associações, os clubes, os restaurantes, as juntas de freguesia, a Câmara Municipal - em suma que tudo e todos se empenhem em tornar o Chiado e a Lisboa pombalina - do Bairro Alto ao Terreiro do Paço - uma zona de referência, com cada vez maior qualidade, com muita animação e segurança...
A Festa no Chiado já está em movimento. Muitas iniciativas terão lugar de 5 a 10 de Maio - com o objectivo de animar a Baixa lisboeta. É indispensável que as galerias, as livrarias, o comércio, as associações, os clubes, os restaurantes, as juntas de freguesia, a Câmara Municipal - em suma que tudo e todos se empenhem em tornar o Chiado e a Lisboa pombalina - do Bairro Alto ao Terreiro do Paço - uma zona de referência, com cada vez maior qualidade, com muita animação e segurança. Estamos num lugar com histórias - povoado pelos fantasmas acolhedores de Alexandre Herculado, de Almeida Garrett, de Eça de Queirós, de Antero de Quental, de José Fontana, de Fernando Pessoa, de Almada Negreiros. Mais do que um Centro Comercial, o Chiado é como Pall Mall, como Saint Germain des Près, como Unter den Linden, como a Piazza di Spagna ou a Piazza della Signoria - um lugar com personalidade, que tem de atrair pela capacidade de inovar, pela força da tradição e da modernidade. O sino da nossa aldeia é o mesmo que animou os heróis queirozianos e a inspiração pessoana. "Luísa atravessou para os Mártires, erguendo um pouco o vestido por causa de uns restos de lama. Parou à porta da Igreja, e sorrindo: - Vou aqui fazer uma devoçãozinha. Não o quero fazer esperar. Adeus Conselheiro, apareça. - Fechou a sombrinha, estendeu-lhe a mão. - Ora essa, minha rica senhora! Esperarei, se vir que não se demora muito. Esperarei, não tenho pressa. - E com respeito: - Muito louvável esse zelo! Luísa entrou na Igreja desesperada" - esta uma passagem célebre de "O Primo Basílio". Na Havaneza soube-se da derrota de Napoleão III, no Marrare almoçava-se o melhor bife de Lisboa, no Baltresqui havia "lunchs" desde as duas horas, na Bertrand Fontana deu a conhecer os efeitos da Comuna de Paris - segundo a Agência Havas: - "Tudo perdido, tudo a arder!", no Casino Lisbonense foram as Conferências Democráticas, no Jerónimo Martins o Azeite Herculano fez furor, no Godefroy o Artur Curvelo comprava frasquinhos de feno para a Concha, no Grémio Literário Garrett deu a conhecer as novidades românticas da época, Verdi poderia ter sido director do Teatro de S. Carlos, no Largo do Directório foi concebida a República, Columbano teve aqui o seu atelier, no Braganza e no Tavares reuniram-se os Vencidos da Vida, em S. Roque está sepultado o grande Francisco Suarez, Almada Negreiros proclamou o Manifesto Anti-Dantas no S. Luiz, António Sérgio, Jaime Cortesão e Raul Proença aqui formaram os grupos da Biblioteca, Vitorino Nemésio ou Aquilino Ribeiro encontravam-se na Bertrand, no Largo do Picadeiro era a Moraes e a revista "O Tempo e o Modo" na Rua dos Duques de Bragança...Bebamos à saúde do Chiado! Quantas recordações...

Guilherme d`Oliveira Martins

Edição: 28 de abril de 2003