Home Sobre nós Serviços Novos sócios Bolsas Mecenas Contactos English Français
"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"
Helena Vaz da Silva LER BIOGRAFIA

De 24 a 30 de Março de 2003

1. A guerra invade as nossas vidas. Num tempo em que se poderia pensar que o primado do Direito Internacional seria aceite como regra natural - deparamos com uma perigosa aventura, à margem da lei e animada por uma estranha ilusão purificadora...

1. A guerra invade as nossas vidas. Num tempo em que se poderia pensar que o primado do Direito Internacional seria aceite como regra natural - deparamos com uma perigosa aventura, à margem da lei e animada por uma estranha ilusão purificadora? A Europa está dividida e faz assim o jogo de quem deseja que continue frágil e incapaz. Reina a "desordem estabelecida" na cena internacional. A solidariedade atlântica é interpretada por alguns como algo de unilateral e unívoco - esquecendo-se que desse modo a solidariedade desaparece, por se tornar uma contradição nos termos. Há exactamente quarenta anos, João XXIII subscreveu a encíclica "Pacem in Terris". Aí está dito com clareza que "a ordem entre os seres humanos" deve orientar-se pelos valores da paz e do respeito pela dignidade humana. As bandeiras do arco-íris com a palavra "Pace" simbolizam hoje esse ideal - que ultrapassa em muito uma luta política de curto prazo. Trata-se de entender os sinais dos tempos! E não se abra caminho ao caos e à cegueira fundamentalista! Afinal, "a paz é uma palavra vazia de sentido", se não se fundar numa ordem "baseada na verdade, constituída segundo a justiça, alimentada e consumada na caridade, realizada sob os auspícios da liberdade" (P.T., V).

2. No dia 21 de Março teve lugar, de Lisboa a Varsóvia, a iniciativa "Primavera da Europa" em milhares de escolas do nosso continente. Fui à minha escola de sempre - o Liceu Pedro Nunes - falar da "Convenção Europeia como factor de Paz". Durante duas horas conversámos, numa sala cheia, sobre o presente e o futuro da União. Senti o interesse e a preocupação - e uma vontade generalizada de mais Europa como espaço de segurança e de paz, como lugar de desenvolvimento sustentável e duradouro e como encruzilhada de várias identidades e diferenças culturais. Num dia em que a guerra avançava, uma escola de cidadãos estava activa.

3. Em dia de luto, plantámos uma oliveira. O dia mundial da poesia não pôde ser celebrado com a alegria de outros anos. Aqui fica, porém, a invocação necessária!

De Sophia de Mello Breyner Andresen:

               "Peço-Te que sejas o presente

               Peço-Te que inundes tudo.

               E que o teu reino antes do tempo venha

               E se derrame sobre a Terra

               Em primavera feroz precipitado."

                                                       CORAL, 1950

Poesia, sereno factor de Paz! Mas onde estão os caminhos da paz?

Guilherme d`Oliveira Martins