Home Sobre nós Serviços Novos sócios Bolsas Mecenas Contactos English Français
"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"
Helena Vaz da Silva LER BIOGRAFIA

De 2 a 8 de Dezembro de 2002

"John Rawls (1921-2002) morreu. É uma das grandes referências da filosofia política ...
"John Rawls (1921-2002) morreu. É uma das grandes referências da filosofia política do século XX e em especial de um pensamento moderno preocupado em ligar os objectivos da liberdade e da igualdade, em nome do respeito da dignidade humana. A sua obra mais conhecida e divulgada, «Uma Teoria da Justiça», e o conceito que desenvolveu, da “justiça como equidade” obrigam-nos a pensar o fenómeno político e social à luz do pluralismo, da exigência de uma repartição equitativa dos recursos e da ligação necessária de um conceito aberto, universalista e complexo de contrato social com a preservação da liberdade, da autonomia individual e da Justiça – na boa tradição de Kant.

Foi um homem justo e sábio, como todos têm reconhecido, empenhado em fazer do domínio de si um factor de emancipação e de criatividade. Foi uma personalidade fascinante e um filósofo exemplar, sempre disponível para repensar as suas ideias perante as críticas de outros e o diálogo das diferenças. Por isso, trinta anos depois da publicação da sua obra fundamental podemos entender as virtualidades do seu pensamento lendo tudo quanto escreveu. E se virmos toda a extensa complexa produção intelectual de que foi autor, verificamos que procurou sempre esclarecer, completar e enriquecer a sua filosofia – desvendando o que estava para além do “véu da ignorância” e procurando que o conhecimento fosse um factor de liberdade e de justiça. Pensamento e acção, conhecimento e compreensão, equilíbrio e justiça, estiveram sempre presentes na sua reflexão precursora e riquíssima. Continuará, por isso, a ser uma leitura indispensável para a compreensão do mundo que nos cerca e da humanidade que constituímos."

Guilherme d`Oliveira Martins
Presidente do Centro Nacional de Cultura