Home Sobre nós Serviços Novos sócios Bolsas Mecenas Contactos English Français
"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"
Helena Vaz da Silva LER BIOGRAFIA

A VIDA DOS LIVROS

António Alves-Caetano escreveu «Os Socorros Pecuniários Britânicos destinados ao Exército Português (1809-1814) – Subsídios para a História da Guerra de Libertação Nacional» (ed. Autor, 2013), que a partir de agora passa a constituir, para a história económica, social e militar do século XIX, um elemento fundamental, para entender os efeitos da saída da Corte para o Brasil, a preservação da independência portuguesa, o enfraquecimento das possibilidades europeias de Napoleão, o equilíbrio das finanças públicas e o reforço efetivo das potencialidades de comércio com Império brasileiro.

A VIDA DOS LIVROS
de 6 a 12 de maio de 2013

António Alves-Caetano escreveu «Os Socorros Pecuniários Britânicos destinados ao Exército Português (1809-1814) – Subsídios para a História da Guerra de Libertação Nacional» (ed. Autor, 2013), que a partir de agora passa a constituir, para a história económica, social e militar do século XIX, um elemento fundamental, para entender os efeitos da saída da Corte para o Brasil, a preservação da independência portuguesa, o enfraquecimento das possibilidades europeias de Napoleão, o equilíbrio das finanças públicas e o reforço efetivo das potencialidades de comércio com Império brasileiro.


Duke of Wellington. Sir Arthur Wellesley (1769-1852)

GUERRA DE LIBERTAÇÃO NACIONAL
Tenho encontrado em Inglaterra entusiastas e profundos conhecedores das guerras peninsulares em Portugal. Foi um momento especialmente importante da história europeia, uma vez que Napoleão Bonaparte começou a ver comprometidas as suas ambições europeias em Portugal, em virtude da aposta britânica em complementar a vitória marítima de Trafalgar com sucessos no ocidente peninsular, no continente, que o Estado-Maior de Sua Majestade aprendeu a conhecer, beneficiando de um acesso por mar relativamente fácil, a partir das ilhas, facto contrastante com as dificuldades sentidas pelos franceses, por disporem de um difícil e longo acesso continental. A Península Ibérica teve, assim, dois destinos: o da salvaguarda da independência portuguesa, graças ao movimento determinante da saída da corte para o Rio de Janeiro, com a criação do único império europeu dirigido da América do Sul; enquanto em Espanha não foi possível evitar uma derrota que conduziu à momentânea perda da independência. A história é bem conhecida. Em novembro de 1806, aquando da conquista de Berlim, o Imperador Napoleão proclamou o bloqueio continental, que exigia o fecho de todos os portos europeus aos navios de Sua Majestade Sereníssima. Esta medida visava a paralisia da indústria britânica e uma inevitável crise social. O príncipe regente D. João, em Portugal, foi protelando a aplicação da decisão, de consequências imprevisíveis. Para o Reino Unido, a Dinamarca e Portugal, pelas armadas importantes que possuíam, eram duas peças chave para um eventual sucesso do bloqueio e para a afirmação do domínio napoleónico. Em Friedland (1807), Alexandre I, czar da Rússia, ficou submetido ao domínio de Bonaparte, o que tornava a fachada atlântica de Portugal – onde se não aplicara o bloqueio – ainda mais decisiva para as aspirações da velha Albion. Em Tilsit, o imperador decide secretamente a ocupação da Península Ibérica, da Suécia e da Dinamarca, devendo as casas reinantes ser depostas e substituídas por monarcas da confiança do Imperador. Em consequência, em setembro de 1907 Copenhaga foi bombardeada preventivamente pelos britânicos, que se apoderaram da esquadra do reino. O bombardeamento britânico de Copenhaga teve, no entanto, um efeito europeu de curto prazo pernicioso, uma vez que conduziu à adesão ao bloqueio de alguns estados que se tinham mantido neutrais até então. O certo, porém, é que havia muitos subterfúgios para iludir o bloqueio, desde o contrabando até à impopularidade das medidas protecionistas francesas. A Inglaterra chegou a pôr a hipótese de invadir Portugal, se tal fosse necessário, mas tudo se precipitou em benefício da corte de St. James, que rapidamente assumiu a missão de cobrir defensivamente a saída da corte portuguesa para o Brasil – nos termos da convenção secreta de 22 de outubro de 1807.

UM IMPORTANTE ESTUDO ECONÓMICO
O estudo económico deste período tem ocupado António Alves Caetano, um investigador com créditos firmados no estudo da vida económica durante as invasões napoleónicas, que Arez Romão tem designado, com muita felicidade, como «guerra de libertação nacional». Neste sentido, «Os Socorros Pecuniários Britânicos destinados ao Exército Português (1809-1814) – Subsídios para a História da Guerra de Libertação Nacional» (ed. Autor, 2013) é uma peça fundamental para a historiografia económica. E o ensaio obriga a uma leitura muito atenta, que se torna apaixonante, pelo encadeado de temas do maior interesse, que explicam muitos acontecimentos de ontem e de hoje.
Sabemos como a frota portuguesa era ambicionada por Napoleão. Jean-Andoche Junot foi, por isso, incumbindo de apresar a armada, logo que chegasse a Lisboa. No entanto, os navios mais importantes tinham-se retirado, de partida para terras de Vera Cruz. Outra parte da frota portuguesa ficou, entretanto, a bloquear o estuário, para evitar que as tropas imperiais fossem abastecidas e para impedir a saída de uma frota russa, que acidentalmente recolhera ao Tejo. A ocupação de Portugal durou até setembro de 1808, tendo as tropas de Arthur Wellesley imposto as derrotas de Roliça e Vimeiro, que puseram em xeque a posição de Junot. Napoleão não desiste. Propõe-se voltar a reconquistar a Portugal, encarregando dessa difícil missão o Marechal Nicolas Soult, seu favorito e herói de Austerlitz e de Iéna. A defesa de Portugal foi, no entanto, cuidadosamente preparada pelo Estado-maior britânico, permitindo que o exército português, muito depauperado, adquirisse uma apreciável e credível capacidade de combate. Havia vantagem estratégica inglesa em Portugal pela proximidade marítima e pelo conhecimento das costas, por contraste com as dificuldades francesas da distância e do continente. Sir Arthur Wellesley, Lorde Wellington traz uma frota de 75 navios à foz do Mondego, em agosto de 1808, com víveres e forragens para os cavalos. O percurso da Figueira da Foz até Lisboa é feito junto ao mar, com o apoio da esquadra, para garantir uma eventual retirada. E assim ocorreu uma claríssima vitória da logística. Lembre-se que, ao invés deste sucesso, o cerco das Linhas de Torres soçobraria, mais tarde, por falta de munições e de alimento para os cavalos.

UM CASO EXEMPLAR…
Beresford chega a Portugal em março de 1809 e foi-lhe confiado o comando e reorganização do exército em articulação com o secretário do Governo para a Guerra, D. Miguel Pereira Forjaz. António Alves Caetano fez uma minuciosa investigação nos preciosos arquivos do Erário Régio (no Tribunal de Contas) e chega a conclusões preciosas: o auxílio financeiro britânico para as tropas portuguesas foi essencial. O governo britânico socorreu Portugal com a entrega de dinheiro, géneros alimentícios, armas, calçado e fardamento, o que correspondeu ao valor espantoso de 70 por cento das receitas totais que o Erário Régio era capaz de captar nesses anos dramáticos. De 12 de abril de 1809 a 30 de setembro de 1814, entraram nos cofres do Erário Régio 29.258 contos de réis (cerca de 8 milhões de libras esterlinas), para manutenção de 30 mil homens (quando inicialmente tinham sido previstos efetivos de cerca de metade), de um exército regular, que Portugal antes não tinha tido, tão bem equipado e eficaz. Aliás, aquando da vitória do Buçaco as apreciações do comando inglês foram encomiásticas sobre a qualidade dos portugueses, ombreando com os melhores britânicos. Acrescente-se que o auxílio financeiro da Grã-Bretanha teve o mérito de evitar a bancarrota portuguesa. E os atrasos nos pagamentos em 1814-15 foram responsáveis pelo não envio de reforços para Waterloo, em nome da parcimónia. O certo é que foi decisiva a determinação de Lorde Wellington para garantir os «socorros pecuniários». E os ganhos estratégicos da vitória foram nítidos: a ativação do comércio brasileiro, a entrada no Atlântico sul, a valorização do porto de Lisboa e do sal de Setúbal. Uma reflexão económica essencial, pelo que revela da história política.

Guilherme d'Oliveira Martins

Edição: 06 de maio de 2013