Home Sobre nós Serviços Novos sócios Bolsas Mecenas Contactos English Français
"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"
Helena Vaz da Silva LER BIOGRAFIA

A VIDA DOS LIVROS

Eduardo Lourenço escreveu «A Morte de Colombo – Metamorfose e Fim do Ocidente como Mito» (Gradiva, 2005) a pensar das comemorações de 1992 relativas à chegada dos europeus à América, no entanto este conjunto de ensaios funciona hoje com maior pertinência do que há vinte anos, porque questiona o Ocidente como mito, num momento em que os Estados Unidos e a Europa estão confrontados com a necessidade de encontrar respostas diferentes perante a emergência de novas potências, dotadas de novas características e de preocupações antes não suspeitadas. A recente crise económica e financeira obrigou já o Ocidente a repensar-se, diante da impossibilidade de tornar a ilusão realidade. Os dois lados do Atlântico deixaram de poder pensar-se em termos de aliança e de confronto tradicionais. A ordem saída da Segunda Grande Guerra acabou. Resta-nos repensar o mito…

A VIDA DOS LIVROS
de 27 de Setembro a 3 de Outubro de 2010

Eduardo Lourenço escreveu «A Morte de Colombo – Metamorfose e Fim do Ocidente como Mito» (Gradiva, 2005) a pensar das comemorações de 1992 relativas à chegada dos europeus à América, no entanto este conjunto de ensaios funciona hoje com maior pertinência do que há vinte anos, porque questiona o Ocidente como mito, num momento em que os Estados Unidos e a Europa estão confrontados com a necessidade de encontrar respostas diferentes perante a emergência de novas potências, dotadas de novas características e de preocupações antes não suspeitadas. A recente crise económica e financeira obrigou já o Ocidente a repensar-se, diante da impossibilidade de tornar a ilusão realidade. Os dois lados do Atlântico deixaram de poder pensar-se em termos de aliança e de confronto tradicionais. A ordem saída da Segunda Grande Guerra acabou. Resta-nos repensar o mito…

POLARIDADES DIFUSAS
No tempo em que as polaridades difusas, que caracterizam o mundo contemporâneo, põem em causa o eixo Europa – América, como decisivo para a evolução das próximas décadas, deparamo-nos com a afirmação das potências emergentes – Brasil, Rússia, Índia e China – e com muitas dúvidas sobre o futuro dos Estados islâmicos e os riscos do “choque de civilizações”. Sem cair na tentação de olhar o “nosso caso”, é bom que olhemos a evolução futura a partir de Portugal, na nossa qualidade de varanda da Europa, na acepção da metáfora pessoana. Eduardo Lourenço (EL) pensou bem este tema, por antecipação, nas comemorações da chegada de Colombo à América e intitulou uma notável série de ensaios sobre as novas relações com o Novo Mundo usando a fórmula da morte de Colombo, como símbolo europeu sob os efeitos da usura do tempo. «A Morte de Colombo» merece ser relido nesta década, uma vez que a reflexão que contém ultrapassa em muito o diferendo conjuntural sobre as comemorações. Vem à baila Oswald Spengler e o «Declínio do Ocidente» (1918-1923) sob os efeitos devastadores da Primeira Guerra, quando tudo estava apenas interrompido, à espera do desfecho e da tragédia final. Muita água passou sob as pontes da História, mas o tema não deve ficar no esquecimento. É certo que é difícil aceitar as ideias de Spengler. Falava sob a óptica organicista e reportava-se (a partir de uma análise de oito culturas – babilónica, egípcia, chinesa, indiana, maia-azteca, clássica greco-romana, arábica e ocidental euro-americana) a lentas evoluções das fases apolíneas para os momentos fausticos. O Ocidente conheceria, assim, um longo crepúsculo, caracterizado ou por um inexorável fim ou por um dourado e dramático declínio. Gibbon, no século XVIII, usou o mesmo método para analisar a decadência do império romano, mas a distância e a consolidação dos acontecimentos talvez tenham corrigido as fragilidades metodológicas usadas pelo estudioso. O século XX trouxe a barbárie, e se num primeiro momento a profecia parecia realizar-se rapidamente em vez do longo crepúsculo preconizado, a verdade é que o “milagre” do fim da Guerra (1945) pareceu apontar para um novo recomeço, em que os EUA se tornariam o epicentro do Ocidente, seguindo a herança imperial romana.

EUROPA FORA DA EUROPA
A América começou por se construir como Europa («Europa fora da Europa»), mesmo adquirindo um difuso complexo de superioridade nos Estados Unidos, por contraponto a um sentimento emancipador nas Américas Central e do Sul. Em 1992, o que apareceu foi a rejeição da Europa como «mãe ou madrasta do Novo Mundo», em nome da resistência ancestral do Eldorado colonizado e corrompido. E, para Eduardo Lourenço, trata-se de uma «história de pais e filhos que se não reconhecem ou se disputam um tesouro comum – e antes de mais o da sua própria imagem – viveu, e ainda não deixou de viver, embora há menos tempo, a história real e literária de dois Ocidentes – o Descobridor, ou que assim se cria – e o do Novo Mundo descoberto, prometido num dos seus ramos ao Império do Mundo. Ou à sua ficção». No entanto, mais importante do que Colombo e 1492, que foram (apesar de tudo) circunstanciais, trata-se de uma nova gramática das civilizações, em que o planeta se torna resultado de várias influências e do apagamento dos impérios tradicionais. Afinal, as comemorações de 92 anteciparam o que se tornou moeda corrente: às potências tradicionais, ou à sombra delas, contrapõe-se hoje o surgimento de novas realidades e de novos poderes, com características diversificadas, que vão do populismo étnico até à reemergência confessional, quando não teocrática.

TENSÕES CIVILIZACIONAIS
A crise do Médio Oriente, as tensões civilizacionais, a consciência de que a Europa e a América não poderão, só por si, ditar as regras para o equilíbrio do mundo, a compreensão de que podemos estar a reviver um “Apocalipse Alegre” (H. Broch) ou um “laboratório do fim do mundo” (K.Kraus) – tudo isso nos obriga a pensar a cultura como criação e como hierarquia de valores. Para EL, o «filhos de Colombo» parecem precisar dessa morte para poderem «crer que o Paraíso é mesmo nessa América onde (Colombo) aportou para fugir do Velho Mundo». É um sistema de mitos que se transforma, e a ideia de Ocidente sofre abalo. «É na realidade que o mito se alimenta, é no mito que a realidade se torna significante. Isto é sabido, está emblematicamente nos Lusíadas, mas mais instrutiva é a metamorfose a que o tempo submete os mitos quando a realidade que os exigir deixa o seu lugar à nostalgia dela. Foi e é o nosso caso». O mundo de polaridades difusas obrigar a atender às diferenças e à incerteza. Por isso, longe de se pensar que deixou de haver espaço para o Ocidente, o que importa é compreender que o proteccionismo e a tentação das respostas fragmentárias e isoladas constituem erros irreparáveis. O mundo deixou de poder ser centrado no Ocidente, e a resposta à decadência está na compreensão das fragilidades e das ameaças. Não acabou Roma «corroída do interior pela incapacidade de harmonizar as diversas forças do seu Império e de resistir às pressões que os chamados ‘bárbaros’ exerciam ao longo das fronteiras que se confundiam com as do mundo politicamente organizado»?

DE LAS CASAS A VIEIRA
Pensando em Colombo e na colonização europeia, só o tempo tornou evidente que a Europa não iria «prolongar-se no mundo que acabava de ser descoberto, mas transfigurar-se e, de certo modo, negar-se». Eis o paradoxo que o tempo revelou. Afinal, era necessário voltar atrás para que fosse recuperada a legitimidade no tocante ao conceito não realizado de dignidade universal das pessoas. O exemplo do colonizador tirou-lhe autoridade moral e se pensamos na invocação da «paz perpétua» de Kant ou do humanismo de Las Casas e de António Vieira, temos de perceber as contradições e os seus efeitos. As explicações providencialistas e o primado das explicações redutoras não ajudam. Herculano e Antero apelaram à vontade. Leia-se EL sobre o Quinto Império: «Ligar o Quinto Império de Vieira a outros sonhos messiânicos ou utópicos, de que a cultura do Ocidente está cheia, não esclarece grande coisa. Ele é, sobretudo, o devaneio imperial português no momento exacto em que Portugal escapa do seu cativeiro da Babilónia, e em que o imperialismo bem vivo da nova Europa não católica se expande pelo mundo». E se se fala em devaneio é para fazer perceber que se trata de ligar o místico e o político, a profecia e a decisão. Vieira deseja um «suplemento de alma», um sentido de acção, que se demarque dos «fumos da Índia» do século anterior. É o império da língua e do espírito que propõe. E «ele oferece-nos a essência de uma palavra que só se pode apoderar do sentido da realidade através do espelho de Deus. Como sua sombra». 

Guilherme d'Oliveira Martins

Oiça aqui as minhas sugestões na Renascença