Home Sobre nós Serviços Novos sócios Bolsas Mecenas Contactos English Français
"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"
Helena Vaz da Silva LER BIOGRAFIA

A VIDA DOS LIVROS

“O Milagre Europeu” de E.L. Jones (Gradiva, trad. de Edgar Rocha, 2002) pode dizer-se que é já um clássico das análises contemporâneas sobre as vantagens comparativas do nosso continente. A primeira edição da obra é de 1981 e a segunda de 1987, e o autor, professor da Universidade de Princeton, procurou responder a uma pergunta difícil, mas fundamental: por que razão as economias modernas encontraram o ponto de partida para o seu desenvolvimento global na experiência do subcontinente europeu? Que razões existiram para a criação dessa dinâmica? Para E.L. Jones, estamos perante a convergência de dois factores – o meio ambiente e o sistema político -, o que não aconteceu, por exemplo, com o Império Otomano, ou com a Índia e a China. Foram, assim, a descentralização política e as raízes culturais, bem como o sistema económico comum, que favoreceram a tendência.

A VIDA DOS LIVROS
de 2 a 8 de Novembro de 2009

“O Milagre Europeu” de E.L. Jones (Gradiva, trad. de Edgar Rocha, 2002) pode dizer-se que é já um clássico das análises contemporâneas sobre as vantagens comparativas do nosso continente. A primeira edição da obra é de 1981 e a segunda de 1987, e o autor, professor da Universidade de Princeton, procurou responder a uma pergunta difícil, mas fundamental: por que razão as economias modernas encontraram o ponto de partida para o seu desenvolvimento global na experiência do subcontinente europeu? Que razões existiram para a criação dessa dinâmica? Para E.L. Jones, estamos perante a convergência de dois factores – o meio ambiente e o sistema político -, o que não aconteceu, por exemplo, com o Império Otomano, ou com a Índia e a China. Foram, assim, a descentralização política e as raízes culturais, bem como o sistema económico comum, que favoreceram a tendência.

  
François Schuiten, La Bibliothèque.

PORQUÊ OS EUROPEUS? 
Esta pergunta tem razão de ser, mas muitas vezes não é feita, talvez por receio de eurocentrismo. No entanto, ao vermos a situação geográfica deste cabo da Ásia, percebemos que houve uma convergência de factores próprios, com repercussões indiscutíveis na história da Europa e do Mundo, que não podem deixar de ser devidamente estudados. Numa conferência de 1755, Adam Smith disse que “pouco mais é necessário para levar um estado de barbarismo para a opulência, do que a paz, impostos baixos e razoável administração da justiça; tudo o mais vem naturalmente com o curso dos acontecimentos”. Talvez devamos começar por aqui, no entanto, não há uma chave única ou uma resposta uniforme. É preciso compreender as circunstâncias e em especial o facto de na Eurásia, nos séculos XVI, XVII e XVIII ter havido quatro sistemas político-económicos: o Império Otomano, no Próximo Oriente, o Império Mughal, na Índia, os Impérios Ming e Manchu, na China, e o sistema de Estados da Europa. Enquanto os impérios otomano, mughal, e manchu foram despotismos militares estranhos ao corpo da sociedade, que limitavam drasticamente as perspectivas de desenvolvimento, o que foi agravado pelo colonialismo, pela abertura forçada dos portos e pelos acordos comerciais desiguais, na Europa houve condições favoráveis à descentralização e à difusão dos progressos. Não pode esquecer-se ainda que a localização da Europa favoreceu as vantagens próprias, desde o afastamento em relação às estepes da Ásia Central e dos efeitos das devastações provocadas pelos cavaleiros nómadas até à proximidade dos circuitos económicos e comerciais do Mediterrâneo e do Atlântico. Como afirma E.L. Jones: “A Europa tinha condições de contexto, localização e recursos de tal forma especiais que somos obrigados a agarrar esse espinho que é a explicação ambiental” A variedade política, a acumulação de capital e o comércio são factores parcialmente explicáveis pelas condições específicas da Europa relativamente ao meio geográfico e aos recursos”.

A CAPACIDADE DE APROVEITAR
Benjamin Franklin afirmou que “a felicidade humana provém menos de grandes golpes de sorte, os quais raramente acontecem, do que das pequenas vantagens que ocorrem todos os dias”. A complexidade das situações, a diversidade das circunstâncias obrigam a perceber que no caso europeu houve uma confluência de factores que suscitaram o “milagre”. Se W.W. Rostow analisou o crescimento segundo a sequência de Adam Smith – benefícios do comércio, alargamento do mercado, especialização por regiões – a verdade é que na China houve falta de transição natural e irresistível do comércio para a manufactura. A roda de fiar cânhamo, movida a água, e outros progressos conhecidos no século XIV, para não falar das navegações até à costa oriental de África, poderiam ter tido efeitos extraordinários, no entanto o uso das máquinas foi abandonado (por razões desconhecidas que poderão ter a ver com contradições e conflitos interno na dinastia Ming), com consequências inevitáveis de regressão. Também no império otomano a tipografia foi introduzida em 1726 em Constantinopla, mas a experiência foi interrompida entre 1730 e 1780, tendo sido produzidos apenas 63 títulos de 1726 a 1815. Note-se que a taxa de alfabetização era no centro da Europa então de 50 por cento, em comparação com os 5 por cento na Turquia, isto é, “uma diferença de 10 vezes, enquanto a diferença entre as taxas de publicação era de 10 mil”. Daí que os mercadores dos Balcãs tenham tido necessidade de infringir as regras turcas para conseguirem ter acesso a livros e jornais importados das cidades europeias”. E como estamos longe da certeira e oportuna metáfora de Meyerhof sobre o papel dos árabes na Europa do final da Idade Média: “os cientistas islâmicos reflectiram o Sol helénico depois de o dia terminar, iluminaram a sombria Idade Média europeia como uma Lua, acrescentaram algumas estrelas brilhantes, mas desapareceram com a Renascença”. Em contraponto, a Europa pôde beneficiar da abertura e do contacto entre zonas mais e menos desenvolvidas, num intercâmbio muito rico. E o caso dos Descobrimentos é bem ilustrativo, beneficiando os portugueses da fecunda circulação de ideias e de informações do Mediterrâneo. Pierre Chaunu (1923-2009), falecido na última semana, esclarece-nos sobre quais eram as motivações portuguesas: “para a burguesia obter terra para plantações de cana-de-açucar; para a aristocracia, simplesmente obter terra; para o Estado, obter fontes de abastecimento de cereais, dado que as colheitas eram insuficientes um ano em cada três e que o país estava cada vez mais dependente das fontes marroquinas. Estes eram os interesses principais, embora também estivessem presentes a curiosidade, o espírito missionário e de cristianização, assim como a procura de ouro”. E lembramo-nos do que disse Vasco da Gama ao judeu de Calecute: vimos em busca de ouro, cristãos e especiarias… E tudo vinha, afinal, do conhecimento de que os árabes tinham chegado bastante ao sul ao longo da costa oriental de África. Por isso, os portugueses enviaram mensageiros a Ormuz e outros lugares, a fim de tentarem recolher informações seguras sobre o extremo sul de África, principalmente judeus, pois podiam contar com o apoio de comunidade judaicas existentes ao longo das rotas comerciais.

UM PROCESSO CUMULATIVO HISTÓRICO
Verifica-se facilmente que os europeus não foram nem os únicos nem os primeiros grandes comerciantes. O que aconteceu foi a reunião de condições especialmente favoráveis que corresponderam a um caso de sucesso na resposta aos estímulos. “O que distinguiu o caso europeu foi o notável aumento do comércio de grande volume ligando regiões bastante afastadas, o carácter multilateral e o facto de negociar bens de consumo corrente, e não apenas os bens sumptuários que sempre tinham dominado o comércio de longo curso”. Verificamos haver uma extraordinária capacidade para aproveitar oportunidades. Isso foi-se dando ao longo do tempo, de um modo gradual e estável. “Foi o conjunto (diz E.L. Jones), e não um elemento único miraculoso, que produziu os resultados que conhecemos. Um contexto relativamente estável e, principalmente, os limites às arbitrariedades devidos a um cenário político concorrencial, foram condições fundamentais para o crescimento e o desenvolvimento. A Europa escapou aos perigos de gigantescos impérios centralizados, o que não aconteceu na Ásia. Para além disso, o desenvolvimento europeu resultou de um processo cumulativo histórico”. Se falamos de um “milagre” referimo-nos a uma reunião de factos excepcionais. Deles temos de ter consciência. Hoje, a Europa confronta-se com o desafio da coordenação, ao invés da harmonização. Uma União de Estados livres e soberanos tem a seu cargo a missão de seguir as boas lições e os exemplos positivos.

Guilherme d'Oliveira Martins

Oiça aqui as minhas sugestões na Renascença

Edição: 02 de novembro de 2009