Home Sobre nós Serviços Novos sócios Bolsas Mecenas Contactos English Français
"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"
Helena Vaz da Silva LER BIOGRAFIA

UM LIVRO POR SEMANA- De 5 a 11 de Março de 2007

A biografia da autoria de José Mattoso sobre “D. Afonso Henriques” (Círculo de Leitores, 2006), na colecção “Reis de Portugal”, constitui um exemplo de rigor e de inteligência, sobretudo se tivermos em consideração que o estudo e o relato sobre a vida de uma personagem medieval exigem uma actividade intensa de extrapolação e de tratamento crítico dos sempre parcos elementos disponíveis.

UM LIVRO POR SEMANA
De 5 a 11 de Março de 2007

A biografia da autoria de José Mattoso sobre “D. Afonso Henriques” (Círculo de Leitores, 2006), na colecção “Reis de Portugal”, constitui um exemplo de rigor e de inteligência, sobretudo se tivermos em consideração que o estudo e o relato sobre a vida de uma personagem medieval exigem uma actividade intensa de extrapolação e de tratamento crítico dos sempre parcos elementos disponíveis. “Dada a enorme escassez de informações, verifica-se a necessidade de preencher as suas lacunas por meio de raciocínios dedutivos, de informações indirectas e de hipóteses explicativas, algumas das quais de base muito frágil, mas em todo o caso indispensáveis para se alcançar a compreensão possível dos factos e do seu encadeamento” (p. 9). Foi, deste modo, indispensável proceder a uma revisão completa da historiografia afonsina, o que o autor tem feito no seu longo e rico magistério de estudioso e investigador. E assim José Mattoso apresenta-nos uma fecunda complementaridade entre o que resulta das fontes diplomáticas (desde os Documentos Medievais Portugueses aos textos pontifícios, passando pelos cartulários e documentação avulsa das instituições religiosas) e o que decorre das fontes narrativas (os “Anais de D. Afonso, Rei dos Portugueses”, o relato da conquista de Santarém, além de fontes não portuguesas que citam o nosso monarca). Os resultados imediatos destas leituras suscitam amiúde dúvidas. Daí a exigência de colmatar lacunas e de formular hipóteses novas. E essa vitalidade intelectual é um dos grandes atractivos da leitura deste livro. O “fio condutor da intriga” e a narração histórica, de que fala Ricoeur, procuram permitir a compreensão do passado por intermédio dos factos essenciais. Desde a juventude de um predestinado (rodeada de lenda e de uma cura milagrosa de um defeito de nascença por intercessão de Egas Moniz de Ribadouro), às responsabilidades políticas, aos primeiros passos de um jovem príncipe, ao apelo de Jerusalém (num tempo em que nascem as ordens militares, ditadas pelo espírito das cruzadas), até à fixação do centro político e estratégico de Coimbra e depois às novas conquistas, a narrativa corresponde a uma construção cuidadosa e segura de uma personalidade com características muito especiais. O quadro de fundo é bem conhecido, há um conflito ancestral entre Santiago de Compostela e Braga, acentuado pelas ambições do arcebispo Diego Gelmírez, e uma tensão evidente entre a nobreza galega e os barões portucalenses, tendo a viúva do Conde D. Henrique preferido o primeiro dos lados, sob a influência de Fernão Peres de Trava, figura cimeira no conspecto galego. Luta, intriga e contradição dominam a infância e a juventude do jovem príncipe. A investidura como cavaleiro em Zamora à maneira dos reis, num território do senhorio de D. Teresa (1125), a revolta e a tomada do poder, sob a influência dos barões de Portugal contra o domínio galego, a batalha de S. Mamede (1128) inserem-se numa caminhada bastante segura no sentido de o jovem príncipe se tornar “rex portugalensium” e de Portugal se autonomizar como território demarcado. Nada disto pode, porém, ser entendido sem lembrar o “apelo de Jerusalém”, precocemente assumido no ocidente peninsular, designadamente através da doação do castelo e do termo de Soure à Ordem Militar do Templo de Jerusalém. Por outro lado, a opção por Coimbra como sede política do reino revelar-se-á de crucial importância, como sinal de autonomia de D. Afonso em relação à nobreza senhorial de Entre-Douro-e-Minho, de tomada de consciência da nova importância dos cavaleiros-vilãos e das novas estruturas urbanas do sul, bem como de aproximação da fronteira como o território islâmico e de especial atenção à tradição cultural moçárabe. Na mesma cidade, o rei apoiou a fundação da comunidade de cónegos regrantes de Santo Agostinho no convento de Santa Cruz, no âmbito do movimento de renovação monástica e de implantação no território de Portugal dos beneditinos, de Cluny e depois de Cister, estes graças aos prováveis contactos do bispo D. João Peculiar, braço direito do rei, e do presbítero Telo com S. Bernardo de Claraval no Concílio de Pisa de 1135. A cada passo, Afonso Henriques vai reforçando a sua posição, designadamente no enigmático pacto de Tui (1137) em que o reconhecimento da legitimidade de Afonso Raimundes tem de ser visto no contexto de um conjunto de obrigações, de que apenas se conhece uma parte, mas que fazem parte da consolidação da posição do futuro rei português. Estabiliza-se, no fundo, a relação com a Galiza (e com Leão e Castela) e criam-se condições para avançar na reconquista a sul, o que explica que o território tomado aos mouros avance significativamente de 1147 a 1165, como antes não acontecera. A vitória da batalha de Ourique (1139), sobre que faltam informações, poderá ter sido o momento alto de um grande fossado organizado em pleno Gharb, num lugar incerto na campina além Tejo, talvez em represália pela destruição do castelo de Leiria. Esse, no entanto, foi o momento legitimidador, política e religiosamente do novo rei, que aí assume a designação real e as suas armas heráldicas, que invocam a intervenção divina (crux clypeata, uma cruz formada de escudos). Afonso Henriques não foi, contudo, apenas um chefe militar. Foi um administrador, um político e um condutor de homens experimentado, que merece ser conhecido à luz da História… Só um grande medievalista, com provas dadas, poderia demonstrar, como faz, tanta segurança no uso das fontes e dos elementos relevantes disponíveis, em proveito do leitor ou do estudioso. E assim podemos contar com a superação das referências puramente míticas ou imaginárias, para passar a dispor de dados que permitem entender melhor a época em que a independência portuguesa se concretizou, os seus problemas e os seus protagonistas.
                                                Guilherme d'Oliveira Martins